Base de dados : LILACS
Pesquisa : M01.965 [Categoria DeCS]
Referências encontradas : 575 [refinar]
Mostrando: 1 .. 10   no formato [Detalhado]

página 1 de 58 ir para página                         

  1 / 575 LILACS  
              next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo SciELO Brasil
Texto completo
Id: biblio-1153780
Autor: Vieira-Meyer, Anya Pimentel Gomes Fernandes; Morais, Ana Patrícia Pereira; Campelo, Isabella Lima Barbosa; Guimarães, José Maria Ximenes.
Título: Violência e vulnerabilidade no território do agente comunitário de saúde: implicações no enfrentamento da COVID-19 / Violence and vulnerability of the Community Health Worker in the territory: implications for tackling COVID-19
Fonte: Ciênc. Saúde Colet;26(2):657-668, fev. 2021. tab, graf.
Idioma: pt.
Resumo: Resumo Objetivou-se averiguar a relação da COVID-19 com variáveis de vulnerabilidade social em Fortaleza e verificar a influência da violência no trabalho do ACS e suas implicações no enfrentamento da COVID-19. Dados quantitativos primários (e.g., questionários com ACS) e secundários (e.g., IDH, homicídio, analfabetismo, cobertura do Programa Bolsa Família [PBF] e da Estratégia Saúde da Família [ESF]) foram utilizados. Observou-se relação da COVID-19 com indicadores de vulnerabilidade social, onde os casos têm relação negativa com IDH e analfabetismo; e os óbitos relação positiva com taxa de homicídios e cobertura do PBF. Regiões com altas taxas de óbito por COVID-19 e vulnerabilidade social possuem maior cobertura da ESF e menor realização de visita domiciliar pelo ACS. A atuação deste, no enfrentamento da pandemia, é limitada pela violência do território. A plena atuação do ACS, no enfrentamento da COVID-19, é dependente de políticas intersetoriais. Assim, a construção de uma política de enfrentamento da COVID-19, com participação do ACS, precisa levar em consideração, além de seu adequado treinamento na prevenção e detecção de COVID-19, ações intersetoriais para o enfrentamento e prevenção da violência no território.

Abstract The scope of the study was to investigate the relationship between COVID-19 and social vulnerability variables in Fortaleza, as well as to verify the influence of violence on the work of the Community Health Worker (ACS) and the implications for tackling COVID-19. Primary quantitative data (e.g., questionnaires with the ACS) and secondary data (e.g., HDI, homicide, illiteracy, Bolsa Família [PBF] coverage and Family Health Strategy [ESF] coverage) were used. There was a relationship between COVID-19 and indicators of social vulnerability, where cases had a negative relationship with HDI and illiteracy; and deaths had a positive relationship with the homicide rate and PBF coverage. Regions with high death rates due to COVID-19 and social vulnerability have greater FHS coverage and less home visits by the CHA. The latter's role in tackling COVID-19 is limited by the violence in the territory. The thorough performance of the ACS in confronting this pandemic is dependent on intersectoral policies. Thus, the creation of a policy to tackle COVID-19 with the participation of the ACS needs to consider intersectoral actions for curtailing and preventing violence in the territory, in addition to adequate training in the prevention and detection of COVID-19.
Descritores: Violência/prevenção & controle
Violência/estatística & dados numéricos
Infecções por Coronavirus/epidemiologia
Agentes Comunitários de Saúde
-Brasil/epidemiologia
Populações Vulneráveis
Limites: Humanos
Responsável: BR1.1 - BIREME


  2 / 575 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo SciELO Brasil
Moreira, Thereza Maria Magalhäes
Texto completo
Id: biblio-1153816
Autor: Cestari, Virna Ribeiro Feitosa; Florêncio, Raquel Sampaio; Sousa, George Jó Bezerra; Garces, Thiago Santos; Maranhão, Thatiana Araújo; Castro, Révia Ribeiro; Cordeiro, Luana Ibiapina; Damasceno, Lara Lídia Ventura; Pessoa, Vera Lucia Mendes de Paula; Pereira, Maria Lúcia Duarte; Moreira, Thereza Maria Magalhães.
Título: Vulnerabilidade social e incidência de COVID-19 em uma metrópole brasileira / Social vulnerability and COVID-19 incidence in a Brazilian metropolis
Fonte: Ciênc. Saúde Colet;26(3):1023-1033, mar. 2021. tab, graf.
Idioma: pt.
Resumo: Resumo A vulnerabilidade é um fator chave no enfrentamento da COVID-19 tendo em vista que pode influenciar no agravamento da doença. Desse modo, ela deve ser considerada no controle da COVID-19, prevenção e promoção da saúde. O objetivo deste artigo é analisar a distribuição espacial da incidência de casos de COVID-19 em uma metrópole brasileira e sua associação com indicadores de vulnerabilidade social. Estudo ecológico. Foi utilizada a análise de varredura espacial (scan) para identificar aglomerados de COVID-19. As variáveis para identificação da vulnerabilidade foram inseridas em um modelo de Regressão Espacial Geograficamente Ponderado (GWR) para identificar sua relação espacial com os casos de COVID-19. A incidência de COVID-19 em Fortaleza foi de 74,52/10 mil habitantes, com notificação de 3.554 casos, sendo pelo menos um caso registrado em cada bairro. A regressão espacial GWR mostrou relação negativa entre incidência de COVID-19 e densidade demográfica (β=-0,0002) e relação positiva entre incidência de COVID-19 e percentual de ocupados >18 anos trabalhadores autônomos (β=1,40), assim como, renda domiciliar per capita máxima do quinto mais pobre (β=0,04). A influência dos indicadores de vulnerabilidade sobre a incidência evidenciou áreas que podem ser alvo de políticas públicas a fim de impactar na incidência de COVID-19.

Abstract Vulnerability is a crucial factor in addressing COVID-19 as it can aggravate the disease. Thus, it should be considered in COVID-19 control and health prevention and promotion. This ecological study aimed to analyze the spatial distribution of the incidence of COVID-19 cases in a Brazilian metropolis and its association with social vulnerability indicators. Spatial scan analysis was used to identify COVID-19 clusters. The variables for identifying the vulnerability were inserted in a Geographically Weighted Regression (GWR) model to identify their spatial relationship with COVID-19 cases. The incidence of COVID-19 in Fortaleza was 74.52/10,000 inhabitants, with 3,554 reported cases and at least one case registered in each neighborhood. The spatial GWR showed a negative relationship between the incidence of COVID-19 and demographic density (β=-0,0002) and a positive relationship between the incidence of COVID-19 and the percentage of self-employed >18 years (β=1.40), and maximum per capita household income of the poorest fifth (β=0.04). The influence of vulnerability indicators on incidence showed areas that can be the target of public policies to impact the incidence of COVID-19.
Descritores: Infecções por Coronavirus/epidemiologia
Populações Vulneráveis
Análise Espaço-Temporal
-Fatores Socioeconômicos
Brasil/epidemiologia
Áreas de Pobreza
Comorbidade
Incidência
Teorema de Bayes
Fatores Etários
Densidade Demográfica
Cidades/epidemiologia
Saúde Suburbana/estatística & dados numéricos
Escolaridade
Emprego/estatística & dados numéricos
Habitação/normas
Renda
Pessoa de Meia-Idade
Limites: Humanos
Masculino
Feminino
Adulto
Responsável: BR1.1 - BIREME


  3 / 575 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo SciELO Saúde Pública
Texto completo
Id: biblio-890153
Autor: Medeiros, Amira Rose Costa; Lima, Rafaela Lira Formiga Cavalcanti de; Medeiros, Leidyanny Barbosa de; Trajano, Flávia Maiele Pedroza; Salerno, Amanda Amaiy Pessoa; Moraes, Ronei Marcos de; Vianna, Rodrigo Pinheiro de Toledo.
Título: Insegurança alimentar moderada e grave em famílias integradas por pessoas vivendo com HIV/Aids: validação da escala e fatores associados / Moderate and severe household food insecurity in families of people living with HIV/Aids: scale validation and associated factors
Fonte: Ciênc. Saúde Colet;22(10):3353-3364, Out. 2017. tab, graf.
Idioma: pt.
Resumo: Resumo Grupos populacionais vulneráveis, como pessoas vivendo com HIV/Aids (PVHA), podem ter alta prevalência de Insegurança Alimentar (IA). Estudo seccional avaliou a validade interna da escala EBIA e mediu a prevalência de IA em amostra de 796 PVHA em João Pessoa (PB). A validação foi feita por análise de Rasch. Testou-se a associação da insegurança alimentar com características sociodemográficas e clínicas com o teste qui-quadrado. Variáveis associadas foram incluídas em um modelo de regressão múltipla de Poisson. EBIA apresentou validade em PVHA com ajuste dentro dos limites esperados e severidade dos itens respeitando o modelo teórico e identificou 66,5% de IA na amostra (30,8% IA leve, 18,1% IA moderada e 17,6% IA grave). Insegurança alimentar moderada ou grave estiveram associadas à idade menor que 43 anos (RP = 1,49; IC95%: 1,14 - 1,86), escolaridade fundamental (RP = 1,64; IC95%: 1,24 - 2,17), renda per capita menor que ½ salário mínimo (RP = 1,83; IC95%: 1,37 - 2,44), falta de ocupação (RP = 1,59; IC95%: 1,16 - 2,19) e domicílios compostos somente por adultos com a pessoa de referência do sexo feminino (RP = 2,19; IC95%: 1,45 - 3,31). As PVHA estudadas apresentam alta prevalência de IA piorando suas condições de vida podendo agravar os problemas de saúde vivenciados por este grupo.

Abstract Vulnerable population groups, including people living with HIV/Aids (PLHA), may have a high prevalence of food insecurity (FI). A cross-sectional study evaluated the internal validity of the Brazilian Food Insecurity Scale (Escala Brasileira de Insegurança Alimentar - EBIA) and measured the prevalence of FI in a sample of 796 PLHA in João Pessoa, Paraíba State (PB). The validation was performed using a Rasch analysis. The association of FI with sociodemographic and clinical characteristics was assessed using the chi-square test. Associated variables were included in a Poisson multiple regression model. The EBIA was valid for PLHA with fit values within the expected limits and item severity conforming to the theoretical model. The EBIA identified 66.5% of PLHA with FI in the sample (30.8% mild FI, 18.1% moderate FI and 17.6% severe FI). Moderate FI and severe FI were associated with an age younger than 43 years (prevalence ratio (PR) = 1.49; 95% confidence interval (CI): 1.14-1.86), primary education (PR=1.64; 95% CI: 1.24-2.17), income per capita lower than ½ minimum wage (MW) (PR=1.83; 95% CI: 1.37-2.44), lack of occupation (PR=1.59; 95% CI: 1.16-2.19) and adult-only households with a female reference person (PR=2.19; 95% CI: 1.45-3.31). The PLHA in this study had a high prevalence of FI, worsening their living conditions and potentially exacerbating their health problems.
Descritores: Infecções por HIV/epidemiologia
Populações Vulneráveis/estatística & dados numéricos
Abastecimento de Alimentos/estatística & dados numéricos
-Fatores Socioeconômicos
Brasil/epidemiologia
Distribuição de Poisson
Prevalência
Estudos Transversais
Fatores Etários
Síndrome de Imunodeficiência Adquirida/epidemiologia
Renda
Pessoa de Meia-Idade
Limites: Humanos
Masculino
Feminino
Adulto
Idoso
Idoso de 80 Anos ou mais
Adulto Jovem
Tipo de Publ: Estudo de Validação
Responsável: BR1.1 - BIREME


  4 / 575 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo
Id: biblio-1150176
Autor: Toulkeridis, Theofilos; Seqqat, Rachid; Torres, Marbel; Ortiz-Prado, Esteban; Debut, Alexis.
Título: COVID-19: Pandemic in Ecuador: a health disparities perspective / COVID-19: pandemia en Ecuador desde una perspectiva de las disparidades de salud
Fonte: Rev. salud pública;22(3):e205, May-June 2020. tab, graf.
Idioma: en.
Resumo: ABSTRACT The global COVID-19 pandemic initiated in Ecuador with the patient zero in February 2020 and since more than 40,000 persons have been tested positive to the virus, leaving some 3,500 deceased, while approximately about 10,500 persons above annual average numbers died within March to May. A strict lockdown was applied by mid-March, which resulted to a severe economic crisis in the country. Although during the lockdown occurred a notable decrease in the number of new cases, the spread of the infection was already massive, untechnical, political and economic decisions will certainly lead to continuous wave of infections for months. Objective Our study postulates, that persons who are most likely to be infected during such secondary wave will be people who have already health issues to which we count besides the known ones, especially those who are already suffer by the distribution of volcanic ashes, as such pyroclastic material is known to affect lunges and thyroids. Methods A descriptive ecological study of information related to COVID-19 infection at a national level using official data from the Minister of Public Health and volcanic ash fall by geographical area in Ecuador. Results The mortality rate per canton indicated that those with lower attack rates are the ones with highest mortality rate. For instance, Portovelo (21.3/100,000), Playas (18.4/100,000), Santa Rosa (15.8/100,000), Suscal (15.3/100,000) and Penipe (14.3/100,000) reported the highest mortality rate per 100,000 people. The main distribution of such volcanic material is within the central to northern area of the Highlands and Inter-Andean Valley of Ecuador, due to the analysis of some 7394 satellite images of the last 21 years. Conclusions We conclude that areas with high vulnerabilities are also most susceptible to develop COVID-19. Such areas with their respective populations will be affected above average and shall be protected in particular within the presently starting during possible second wave of infection.(AU)

RESUMEN La pandemia de COVID-19 inició en Ecuador en febrero de 2020. Desde el inicio más de 40 000 personas han sido oficialmente diagnosticadas con el virus, que ha dejado al menos 3 500 fallecidas, mientras que aproximadamente unas 10 500 personas por encima del promedio anual murieron entre marzo y mayo de 2020. A mediados de marzo se aplicó el confinamiento absoluto en el país, lo que provocó una grave crisis económica y social en Ecuador. Aunque el bloqueo produjo una reducción en el número de casos, la infección estaba propagada ya entre la comunidad y los diagnósticos aumentaron notable debido a decisiones políticas y económicas, que, sin lugar a duda, conducirán a oleadas posteriores de infección por incluso meses. Objetivo Nuestro estudio postula que las personas que tienen más probabilidades de infectarse durante dicha ola secundaria serán las personas que ya tengan problemas de salud. A la vez, proponemos que aquellos pobladores que ya están sufriendo por la caída de cenizas volcánicas y flujos piroclásticos pueden tener más riesgo tal como lo describimos en casos relacionados con cáncer de tiroides y ceniza. Métodos Es un estudio ecológico descriptivo de la información relacionada con la infección por COVID-19 a nivel nacional, utilizando datos oficiales de contagio del Ministerio de Salud Pública y caída de cenizas volcánicas por área geográfica en Ecuador. Resultados La tasa de mortalidad por cantón indicó que aquellos con tasas de ataque más bajas son los que tienen la tasa de mortalidad más alta. Por ejemplo, Portovelo (21,3 / 100.000), Playas (18,4 / 100.000), Santa Rosa (15,8 / 100 000), Suscal (15,3 / 100 000) y Penipe (14,3 / 100 000) registraron la tasa de mortalidad más alta por cada 100 000 personas. La principal distribución de dicho material volcánico se encuentra dentro de la zona centro-norte de la Sierra y Valle Interandino del Ecuador, debido al análisis de unas 7 394 imágenes satelitales de los últimos 21 años. Conclusiones Concluimos que las áreas con alta vulnerabilidad también son más susceptibles a desarrollar COVID-19. Tales áreas con sus respectivas poblaciones se verán afectadas por encima de la media y estarán protegidas, en particular, dentro del inicio actual durante una posible segunda ola de infección.(AU)
Descritores: Pneumonia Viral/epidemiologia
Infecções por Coronavirus/epidemiologia
Erupções Vulcânicas/efeitos adversos
Populações Vulneráveis
-Epidemiologia Descritiva
Equador/epidemiologia
Estudos Ecológicos
Limites: Humanos
Responsável: BR1.1 - BIREME


  5 / 575 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo SciELO Saúde Pública
Texto completo
Id: biblio-890201
Autor: Duarte, Cristina Maria Rabelais; Marcelino, Miguel Abud; Boccolini, Cristiano Siqueira; Boccolini, Patrícia de Moraes Mello.
Título: Proteção social e política pública para populações vulneráveis: uma avaliação do Benefício de Prestação Continuada da Assistência Social - BPC no Brasil / Social protection and public policy for vulnerable populations: an assessment of the Continuous Cash Benefit Program of Welfare in Brazil
Fonte: Ciênc. Saúde Colet;22(11):3515-3526, Nov. 2017. tab, graf.
Idioma: pt.
Resumo: Resumo O artigo descreve a evolução histórica e o perfil dos requerentes do Benefício de Prestação Continuada da Assistência Social (BPC), destinado a idosos e pessoas pobres com deficiência, que utiliza, desde 2009, critérios de elegibilidade construídos com base na CIF/OMS e em consonância com a Convenção sobre os Direitos das Pessoas com deficiência da ONU. O comportamento dos benefícios foi determinado a partir da análise dos coeficientes de concessões gerais e não judiciais, entre 1998 e 2014. O perfil, segundo situação de deferimento, idade, sexo e componentes da CIF, foi estabelecido para os anos de 2010 e 2014. O crescimento médio anual do coeficiente foi maior de 2000 a 2010, anterior à adoção do modelo de elegibilidade biopsicossocial, enquanto o de concessões não judiciais cresceu até 2010, decrescendo a seguir. A razão de deferimento foi maior entre as crianças e entre os que enfrentam barreiras ambientais, limitações e restrições e alterações corporais graves ou completas. A implantação do modelo de avaliação biopsicossocial não ocasionou aumento no ritmo de concessões e os resultados evidenciam a necessidade de flexibilização dos critérios de elegibilidade.

Abstract This paper describes the historical development and profile of Continuous Cash Benefit (BPC) applicants, intended for poor elderly and people with disabilities, which, since 2009, uses eligibility criteria based on the International Classification of Functioning, Disability and Health (ICF) of the WHO and is aligned with the UN Convention on the Rights of Persons with Disabilities. The behavior of benefits was determined from the analysis the coefficients of the general and non-judicial grants between 1998 and 2014. The profile was established for the years 2010 and 2014 according to situation of acceptance, age, gender and ICF components. The average annual growth of the coefficient was higher from 2000 to 2010, prior to the adoption of the biopsychosocial eligibility model, and the coefficient of non-judicial grants increased until 2010, falling thereafter. The deferrals acceptance /rejections ratio was higher among children and among those facing severe or total environmental barriers, limitations, constraints and bodily changes. The implementation of the biopsychosocial evaluation model did not cause an increased rate of grants and results evidence the need for flexibility in the eligibility criteria.
Descritores: Política Pública
Pessoas com Deficiência
Avaliação da Deficiência
Definição da Elegibilidade
-Pobreza
Seguridade Social
Brasil
Populações Vulneráveis
Programas Governamentais
Limites: Humanos
Responsável: BR1.1 - BIREME


  6 / 575 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo SciELO Saúde Pública
Xavier, Cesar Coelho
Proietti, Fernando Augusto
Caiaffa, Waleska Teixeira
Texto completo
Id: biblio-890208
Autor: Felicíssimo, Mônica Faria; Friche, Amélia Augusta de Lima; Xavier, César Coelho; Proietti, Fernando Augusto; Neves, Jorge Alexandre Barbosa; Caiaffa, Waleska Teixeira.
Título: Posição socioeconômica e deficiência: "Estudo Saúde em Belo Horizonte, Brasil" / Socioeconomic position and disability: "The Belo Horizonte, Brazil Health Study"
Fonte: Ciênc. Saúde Colet;22(11):3547-3556, Nov. 2017. tab, graf.
Idioma: pt.
Resumo: Resumo O objetivo deste estudo é investigar a associação da posição socioeconômica e comorbidades com o autorrelato da deficiência. Dados provenientes de inquérito populacional em Belo Horizonte, entre 2008 e 2009. Amostragem foi probabilística, estratificada por conglomerados em três estágios: setor censitário, domicílio e indivíduos. A variável resposta foi deficiência, definida a partir do autorrelato de problemas nas funções ou nas estruturas do corpo. As variáveis explicativas foram: sexo, idade, morbidade referida e índice da posição socioeconômica que incluiu variáveis de escolaridade materna, do entrevistado e renda familiar. Empregou-se a análise fatorial para avaliar a composição do índice da posição socioeconômica e análise de regressão logística. A prevalência de deficiência foi de 10,43%. O autorrelato de deficiência associou-se à idade (OR = 1,02; IC 95%: 1,01-1,03), ao relato de duas ou mais doenças (OR = 3,24; 2,16-4,86) e ao índice da posição socioeconômica (OR = 0,96; IC 95%: 0,95-0,97). A pior posição socioeconômica e a ocorrência de doenças parecem contribuir para a ocorrência de deficiência. Esses resultados evidenciam as iniquidades em saúde entre as pessoas com deficiência e a relevância do BPC no atendimento a populações vulneráveis.

Abstract This study aims to investigate the association of socioeconomic status and comorbidities of self-reported disability. Data were obtained from a population survey in Belo Horizonte from 2008 to 2009. The sample was probabilistic and stratified by conglomerates in three stages: census tracts, households and individuals. The outcome variable was disability, defined by the self-reported problems in bodily functions or structures. The explanatory variables were gender, age, self-reported morbidity and socioeconomic status index that included variables mother and respondent schooling and household income. The factorial analysis was used to evaluate the socioeconomic status index and logistic regression. The prevalence of disability was 10.43% (95% CI: 9.1-11.7%). Self-reported disability was associated with age (OR = 1.02; 95% CI: 1.01-1.03) and reporting of two or more diseases (OR = 3.24; CI 95%; 2.16-4.86) and socioeconomic status index (OR = 0.96; 95% CI: 0.95-0.97). The worse socioeconomic status and occurrence of diseases appear to contribute to the occurrence of disability. These results show health inequities among people with disabilities, and BPC relevance supporting vulnerable populations.
Descritores: Classe Social
Nível de Saúde
Pessoas com Deficiência/estatística & dados numéricos
Disparidades nos Níveis de Saúde
-Fatores Socioeconômicos
Brasil/epidemiologia
Modelos Logísticos
Prevalência
Estudos Transversais
Populações Vulneráveis/estatística & dados numéricos
Autorrelato
Pessoa de Meia-Idade
Limites: Humanos
Feminino
Adulto
Idoso
Adulto Jovem
Responsável: BR1.1 - BIREME


  7 / 575 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo SciELO Saúde Pública
Texto completo
Id: biblio-890225
Autor: Malta, Fernanda Siqueira; Costa, Eduarda Marques da; Magrini, Alessandra.
Título: Índice de vulnerabilidade socioambiental: uma proposta metodológica utilizando o caso do Rio de Janeiro, Brasil / Socio-environmental vulnerability index: a methodological proposal based on the case of Rio de Janeiro, Brazil
Fonte: Ciênc. Saúde Colet;22(12):3933-3944, Dez. 2017. graf.
Idioma: pt.
Resumo: Resumo O termo vulnerabilidade tem sido utilizado com mais frequência, visando uma melhor compreensão acerca dos diferentes grupos populacionais, suas especificidades e necessidades. O objetivo deste estudo foi identificar, caracterizar e analisar populações em situação de vulnerabilidade socioambiental no município do Rio de Janeiro, consolidando indicadores sociais, econômicos, ambientais, de saúde e de segurança pública, em um índice de síntese - o Índice de Vulnerabilidade Socioambiental. A metodologia foi baseada em análise multicritério de apoio à decisão integrada a um Sistema de Informação Geográfica. As fontes de dados utilizadas foram o Censo Demográfico do IBGE-2010, Fundação Geo-Rio e Instituto de Segurança Pública do estado do Rio de Janeiro. Os resultados demonstram que a vulnerabilidade socioambiental no Rio de Janeiro é agravada por situações de risco e degradação ambiental. Estes aspectos são acentuados pelo adensamento das áreas faveladas, onde os estratos mais vulneráveis residem, em um processo de exclusão ambiental e urbana. O estudo permite localizar espacialmente áreas mais vulneráveis, enfatizando a importância destas ferramentas para guiar alocação de recursos, formulação e implementação de políticas públicas mais adequadas.

Abstract The term vulnerability has been more frequently used in several studies, striving to better understand the specificities and needs of different population groups. The scope of this study was to identify, characterize and analyze populations in situations of socio-environmental vulnerability in Rio de Janeiro city, consolidating social, economic, environmental, health and public security indicators in a synthesis index - the Socio-Environmental Vulnerability Index. The data sources used were the IBGE-2010 Demographic Census, the Geo-Rio Foundation and the Public Security Institute of the state of Rio de Janeiro. The methodology integrated Multicriteria Decision Analysis into a Geographic Information System. According to our results, the socio-environmental vulnerability in Rio de Janeiro city is aggravated by risk situations and environmental degradation. Those aspects are accentuated by the population density in shantytown areas, where the most disadvantaged strata exist in a process of environmental and urban exclusion. The study makes it possible to locate spatially vulnerable areas, emphasizing the importance of these tools to guide resource allocation, formulation and implementation of more effective public policies.
Descritores: Política Pública
Saúde Ambiental
Populações Vulneráveis
-Fatores Socioeconômicos
Brasil
Áreas de Pobreza
Técnicas de Apoio para a Decisão
Determinação de Necessidades de Cuidados de Saúde
Alocação de Recursos
Sistemas de Informação Geográfica
Limites: Humanos
Responsável: BR1.1 - BIREME


  8 / 575 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo SciELO Saúde Pública
Silva, Raimunda Magalhäes da
Texto completo
Id: biblio-890234
Autor: Sousa, Izautina Vasconcelos de; Brasil, Christina César Praça; Silva, Raimunda Magalhães da; Vasconcelos, Dayse Paixão e; Silva, Kellyanne Abreu; Bezerra, Ilana Nogueira; Finan, Timoty J.
Título: Diagnóstico participativo para identificação de problemas de saúde em comunidade em situação de vulnerabilidade social / Participatory diagnosis to identify health problems in a socially vulnerable community
Fonte: Ciênc. Saúde Colet;22(12):3945-3954, Dez. 2017.
Idioma: pt.
Resumo: Resumo O paradigma da Promoção da Saúde inaugurou o reconhecimento da saúde como resultante de fatores interligados ao contexto social, político e econômico. No Brasil, as iniquidades são consideradas uns dos traços mais marcantes da situação de saúde, desafiando a efetividade de políticas intersetoriais. O presente estudo objetivou conhecer a percepção dos moradores de uma comunidade em situação de vulnerabilidade social sobre os problemas que interferem nas condições de saúde e as estratégias de enfrentamento utilizadas. Foi utilizada como metodologia a pesquisa participante, guiada pelo Diagnóstico Participativo, contando com 31 informantes-chave da comunidade em estudo localizada em Fortaleza, Ceará. Como resultado, os participantes evidenciaram que a comunidade apresenta problemas no campo da saúde decorrentes da fragilidade de ações intersetoriais (infraestrutura, segurança pública, saneamento básico, recolhimento de lixo e outros) e que buscam enfrentamentos a partir de ações de mobilização social e apoio de instituições. Diante do exposto, verifica-se que o Diagnóstico Participativo pode vir a ampliar o envolvimento social com a promoção da saúde e o enfrentamento de problemas, além de contribuir para a garantia do direito à cidade a todos os seus moradores.

Abstract The Health Promotion paradigm led to the acknowledgment of health due to factors linked to the social, political and economic contexts. In Brazil, health inequities are one of the most striking features of the health situation, challenging the effectiveness of intersectoral policies. This study aimed to understand the perception of socially vulnerable community dwellers of the problems that interfere with the health conditions and the coping strategies used. The methodology consisted of a participatory research based on the participatory diagnosis conducted with 31 key informants from the community studied in Fortaleza, Ceará, Brazil. As a result, participants evidenced that the community has health issues due to weak intersectoral actions (infrastructure, public safety, basic sanitation, garbage collection, among others) and that they seek to address them through social mobilization actions and institutional support. Thus, Participatory Diagnosis is thought to increase social involvement with health promotion and problem solving and contributes to ensuring the right to the city to all its residents.
Descritores: Adaptação Psicológica
Populações Vulneráveis
Pesquisa Participativa Baseada na Comunidade/organização & administração
Política de Saúde
Promoção da Saúde/métodos
-Brasil
Saneamento
Grupos Focais
Disparidades nos Níveis de Saúde
Limites: Humanos
Responsável: BR1.1 - BIREME


  9 / 575 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo SciELO Saúde Pública
Caiaffa, Waleska Teixeira
Texto completo
Id: biblio-890237
Autor: Fernandes, Amanda Paula; Andrade, Amanda Cristina de Souza; Costa, Dário Alves da Silva; Dias, Maria Angélica de Salles; Malta, Deborah Carvalho; Caiaffa, Waleska Teixeira.
Título: Programa Academias da Saúde e a promoção da atividade física na cidade: a experiência de Belo Horizonte, MG, Brasil / Health Academies Program and the promotion of physical activity in the city: the experience of Belo Horizonte, Minas Gerais state, Brazil
Fonte: Ciênc. Saúde Colet;22(12):3903-3914, Dez. 2017. tab, graf.
Idioma: pt.
Resumo: Resumo Descrever o histórico e metodologia de avaliação do Programa Academia da Saúde (PAS) em Belo Horizonte, MG e discuti-lo como experiência de promoção da saúde e equidade. A partir de dois inquéritos foram obtidos dados de 4.048 não usuários (2008-09) e 402 usuários (2014-15), sendo descritos perfil sócio demográfico e nível de atividade física para ambos grupos. Comparou-se percepção da qualidade de vida, satisfação com a vida, convívio social e participação na vizinhança apenas entre usuários e não usuários do sexo feminino e com 40 anos e mais. Além disso, o grupo de não usuárias foi estratificado em renda familiar < 3 e ≥ 3 salários mínimos Teste quiquadrado de Person foi utilizado para comparação entre grupos e estratos (p ≤ 0,05). A prevalência de ativos no lazer entre não usuários foi de 30,2% e usuários de 53,7%. Melhor percepção de qualidade de vida, satisfação com a vida positiva, maior relato de convívio social e participação na vizinhança foram observados entre mulheres com maior renda comparadas aos seus contrapartes (p < 0,001). Ao contrário, usuárias reportaram melhor percepção para todos os construtos avaliados em relacao aos pares de menor renda. O PAS tem oportunizado atividade física à população vulnerável e parece atuar sobre outros desfechos além do estilo de vida.

Abstract The objectives of this study were to describe the history and evaluation methodology of the Brazilian Health Academy Program (PAS) in Belo Horizonte, MG and discuss it as an experience of health promotion and equity. Data from 4,048 non-users (2008-09) and 402 users (2014-15) were analyzed from two cross-sectional surveys. Socio-demographic profile and level of physical activity were described for both groups. Social interaction, satisfaction with life, quality of life, and social organization in the neighborhood were compared between < 3 and ≥ 3 monthly minimum wages income and conducted only for women aged 40 years and older . Chi-square test of Person was performed (p ≤ 0.05). Prevalence of leisure-time physical activity among non-users was of 30.2% and users of 53.7%. Better perception of quality of life, positive satisfaction with life, greater social interactions and participation in the neighborhood were observed among women with higher income compared to their counterparts (p < 0.001). In turn, for all evaluated constructs, users reported better perception of the lower income group. The PAS has opportunized physical activity to the vulnerable population and seems to act on other outcomes besides the lifestyle.
Descritores: Exercício Físico
Equidade em Saúde
Populações Vulneráveis
Promoção da Saúde/métodos
-Satisfação Pessoal
Qualidade de Vida
Brasil
Características de Residência
Estudos Transversais
Inquéritos e Questionários
Renda
Relações Interpessoais
Estilo de Vida
Pessoa de Meia-Idade
Limites: Humanos
Masculino
Feminino
Adolescente
Adulto
Responsável: BR1.1 - BIREME


  10 / 575 LILACS  
              first record previous record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo SciELO Saúde Pública
Texto completo
Id: biblio-890241
Autor: Paula, Carlos Eduardo Artiaga; Silva, Ana Paula da; Bittar, Cléria Maria Lôbo.
Título: Vulnerabilidade legislativa de grupos minoritários / Legislative vulnerability of minority groups
Fonte: Ciênc. Saúde Colet;22(12):3841-3848, Dez. 2017. tab.
Idioma: pt.
Resumo: Resumo As minorias encontram-se em uma posição de inferioridade na sociedade e, por isso, são vulneráveis em vários aspectos. Este estudo analisa a vulnerabilidade legislativa e visa categorizar como "fraca" ou "forte" a proteção conferida pela lei às minorias: idoso, deficiente, LGBT, índio, mulher, criança/adolescente e negros. Para tanto, foi desenvolvida uma pesquisa documental em que se buscou, em 30 leis federais, dispositivos legais que conferissem proteção às minorias. Em seguida, os artigos foram organizados nas categorias: cível, criminal, administrativo, trabalhista e processual para, posteriormente, serem analisados. Considerou-se a proteção jurídica como "forte" quando houvesse dispositivos legais que contemplassem as cinco categorias, e "fraca", a que não atendia esse critério. Observou-se que seis grupos possuem uma proteção legislativa "forte", o que elide a afirmação de que as minorias estão à margem da lei. A exceção é o grupo LGBT, cujo amparo legal é "fraco" Ademais, consagrar direitos por meio de leis reforça os canais institucionais para que as minorias exijam seus direitos. Por fim, observou- se que o amparo legislativo conferido às minorias não é homogêneo e sim é discriminatório, além de existir uma interferência do grupo majoritário na regulação dos direitos dos grupos vulneráveis.

Abstract Minorities are in an inferior position in society and therefore vulnerable in many aspects. This study analyzes legislative vulnerability and aims to categorize as "weak" or "strong" the protection conferred by law to the following minorities: elderly, disabled, LGBT, Indians, women, children/ adolescents and black people. In order to do so, it was developed a documental research in 30 federal laws in which legal provisions were searched to protect minorities. Next, the articles were organized in the following categories: civil, criminal, administrative, labor and procedural, to be analyzed afterwards. Legal protection was considered "strong" when there were legal provisions that observed the five categories and "weak" when it did not meet this criterion. It was noted that six groups have "strong" legislative protection, which elides the assertion that minorities are outside the law. The exception is the LGBT group, whose legislative protection is weak. In addition, consecrating rights through laws strengthens the institutional channels for minorities to demand their rights. Finally, it was observed that the legislative protection granted tominorities is not homogeneous but rather discriminatory, and there is an interference by the majority group in the rights regulation of vulnerable groups.
Descritores: Populações Vulneráveis/legislação & jurisprudência
Direitos Humanos/legislação & jurisprudência
Grupos Minoritários/legislação & jurisprudência
-Brasil
Governo Federal
Regulamentação Governamental
Limites: Humanos
Responsável: BR1.1 - BIREME



página 1 de 58 ir para página                         
   


Refinar a pesquisa
  Base de dados : Formulário avançado   

    Pesquisar no campo  
1  
2
3
 
           



Search engine: iAH v2.6 powered by WWWISIS

BIREME/OPAS/OMS - Centro Latino-Americano e do Caribe de Informação em Ciências da Saúde