Base de dados : LILACS
Pesquisa : N03.540.514.481 [Categoria DeCS]
Referências encontradas : 7 [refinar]
Mostrando: 1 .. 7   no formato [Detalhado]

página 1 de 1

  1 / 7 LILACS  
              next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo SciELO Brasil
Texto completo
Id: biblio-952712
Autor: Kerstenetzky, Celia Lessa; Guedes, Graciele Pereira.
Título: O Welfare State resiste? Desenvolvimentos recentes do estado social nos países da OCDE / Is the Welfare State resisting? Recent developments of the social state in OECD countries
Fonte: Ciênc. Saúde Colet;23(7):2095-2106, jul. 2018. tab, graf.
Idioma: pt.
Resumo: Resumo Neste artigo buscamos analisar alguns dos principais indicadores da evolução do estado de bem-estar social em países da OCDE entre 1980 e 2016. Em particular, buscamos avaliar se a crise iniciada em 2007-2008 teria implicado em contração do estado social. Nossa análise se desdobra no estudo do comportamento de três dimensões: o gasto social, seu financiamento tributário e sua efetividade. Nossa investigação revela que o século XXI tem sido um período de expansão, com gastos crescentes e "catch up" de países retardatários. Em particular, todas as grandes áreas de política social sofreram aumentos, ao lado de apostas ainda incipientes em políticas sociais "ativas". O gasto social tem sido financiado por um esforço tributário crescente, não de todo indiferente à progressividade, e tem se traduzido em crescente esforço de redistribuição. Contudo, desigualdades e pobreza avançam em ritmo superior.

Abstract In this paper an attempt was made to analyze some of the main indicators of the evolution of the welfare state in OECD countries between 1980 and 2016. In particular, an assessment was made to evaluate if the so-called Great Recession starting in 2008 led to a contraction of the social state. The analysis focused on three dimensions: social expenditure, funding, and effectiveness. The conclusion drawn was that the twenty-first century has been a period of expansion, both in terms of social expenditure and the catch-up of the latecomers. In particular, all traditional areas of social policy have expanded in tandem with a slight increase in "active" social policies. The rise in social expenditure has been financed by increasing taxation not thoroughly alien to progressivity principles. Overall, it has been translated into an increased effort for redistribution. However, inequality and poverty are advancing at a higher rate.
Descritores: Política Pública/tendências
Seguridade Social/tendências
Gastos em Saúde/tendências
-Pobreza
Fatores Socioeconômicos
Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico
Limites: Humanos
Responsável: BR1.1 - BIREME


  2 / 7 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo SciELO Saúde Pública
Costa, Nilson do Rosário
Texto completo
Id: biblio-974688
Autor: Costa, Nilson do Rosário.
Título: Estado de Bem-Estar Social e Democracia / The Social Welfare State and Democracy
Fonte: Ciênc. Saúde Colet;23(10):3471-3471, Out. 2018.
Idioma: pt.
Descritores: Política
Seguridade Social
Democracia
Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico
Tipo de Publ: Comentário
Responsável: BR1.1 - BIREME


  3 / 7 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Texto completo
Id: biblio-1139877
Autor: Servo, Luciana Mendes Santos; Santos, Maria Angélica Borges dos; Silva, Raulino Sabino da.
Título: Diálogo com a OCDE: indicadores de recursos do sistema brasileiro de saúde em tempos de pandemia / Nota Técnica n. 86 (Disoc) : Diálogo com a OCDE : indicadores de recursos do sistema brasileiro de saúde em tempos de pandemia.
Fonte: Brasília; IPEA; 2020. 19 p. (Nota Técnica / IPEA. Disoc, 86).
Idioma: pt.
Resumo: Os indicadores de saúde vêm ganhando crescente espaço para informar políticas públicas e acompanhar diversos aspectos do desempenho dos sistemas de saúde. Nesse sentido, os países têm se esforçado para implementar tais indicadores, enquanto organismos internacionais buscam torná-los comparáveis entre países (WHO, 2010; Sachs et al., 2020). Um dos organismos mais identificados com o esforço de coleta e padronização sistemática de indicadores é a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE). Como parte dos requisitos para integrar a organização, os países membros são instados a informar anualmente um conjunto de dados relacionados a diversos aspectos de suas economias, de governança estatal, de políticas sociais e, inclusive, de saúde. Atualmente, as dimensões da saúde monitoradas por indicadores específicos utilizados pela OCDE incluem: gastos e financiamento em saúde; condições de saúde; determinantes não médicos da saúde; recursos em saúde, subdivididos em emprego e formação profissional em saúde e recursos físicos e técnicos; migração da força de trabalho em saúde; utilização de cuidados de saúde; indicadores de qualidade em cuidados de saúde; mercado farmacêutico; e proteção social. Além disso, são colhidos dados de referências demográficas, que permitem construir indicadores referidos às características demográficas e econômicas de cada país (OECD, 2020a). Desde 1999, as abordagens conceituais e metodológicas, bem como as propostas de exclusão ou inclusão de indicadores, são discutidas pelo menos uma vez por ano em uma reunião na sede da OCDE, em Paris. Até 2017, havia reuniões distintas para correspondentes de dados estatísticos gerais da saúde e para experts em contas de saúde. A partir de 2018, as duas oficinas foram consolidadas no Working Party of Health Statistics. Ainda que não seja formalmente um país membro, o Brasil frequenta há vários anos essas oficinas, na qualidade de parceiro preferencial (key partner) da OCDE (OECD, 2020b). Com a emergência da Covid-19, tornou-se patente a necessidade de inventariar os recursos necessários ao atendimento da emergência sanitária mundial. Esta nota técnica visa atualizar os indicadores brasileiros para leitos de unidade de terapia intensiva (UTI) e recursos humanos em saúde, comparando o período imediatamente anterior à pandemia ao período de sua vigência, estabelecendo um diálogo com as propostas de indicadores da OCDE.
Descritores: Capacitação de Recursos Humanos em Saúde
Coronavirus
Indicadores de Saúde Comunitária
Infecções por Coronavirus
Leitos
Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico
Pandemias
Política Pública
Responsável: BR1541.1 - Biblioteca
[{"text": "BR1541.1"}]


  4 / 7 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Marinho, Alexandre
Texto completo
Id: biblio-1044839
Autor: Marinho, Alexandre; Cardoso, Simone de Souza; Almeida, Vívian Vicente de.
Título: Avaliação de eficiência em sistemas de saúde: Brasil, América Latina, Caribe e OCDE / Texto para Discussão (TD) 1784: Avaliação de eficiência em sistemas de saúde: Brasil, América Latina, Caribe e OCDE.
Fonte: Brasília; IPEA; 2012. 92 p. graf. (Texto para Discussão / IPEA, 1784)).
Idioma: pt.
Resumo: Compara a eficência do sistema de saúde brasileiro com os sistemas de saúde de outros países. Realiza avaliações de eficiência que procuram inferir em que medida o investimento, em termos monetários, no sistema de saúde do Brasil, comparado com os sistemas de saúde dos países da OCDE, da América Latina e Caribe seria eficiente em maximinizar indicadores relacionados ao desempenho desses sistemas.
Descritores: América Latina
Avaliação em Saúde
Eficiência
Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico
Região do Caribe
Serviços de Saúde
Sistemas de Saúde
-América Latina
Brasil
Responsável: BR1541.1 - Biblioteca
BR1541.1; 330.908, I59 TDI1784


  5 / 7 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Marinho, Alexandre
Texto completo
Id: biblio-992065
Autor: Marinho, Alexandre; Cardoso, Simone de Souza; Almeida, Vívian Vicente de.
Título: Avaliação de eficiência em sistemas de saúde: Brasil, América Latina, Caribe e OCDE / Texto para Discussão (TD) 1784: Avaliação de eficiência em sistemas de saúde: Brasil, América Latina, Caribe e OCDE.
Fonte: Brasília; IPEA; 2012. 92 p. graf. (Texto para Discussão / IPEA).
Idioma: pt.
Resumo: Compara a eficência do sistema de saúde brasileiro com os sistemas de saúde de outros países. Realiza avaliações de eficiência que procuram inferir em que medida o investimento, em termos monetários, no sistema de saúde do Brasil, comparado com os sistemas de saúde dos países da OCDE, da América Latina e Caribe seria eficiente em maximinizar indicadores relacionados ao desempenho desses sistemas.
Descritores: América Latina
Avaliação em Saúde
Brasil
Eficiência
Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico
Região do Caribe
Serviços de Saúde
Sistemas de Saúde
-América Latina
Brasil
Responsável: BR1541.1 - Biblioteca
BR1541.1; 330.908, I59 TDI1784


  6 / 7 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Marinho, Alexandre
Texto completo
Id: biblio-992004
Autor: Marinho, Alexandre; Cardoso, Simone de Souza; Almeida, Vívian Vicente de.
Título: Brasil e OCDE: avaliação da eficiência em sistemas de saúde.
Fonte: Rio de Janeiro; IPEA; 2009. 65 p. graf. (Texto para Discussão / IPEA).
Idioma: pt.
Resumo: Avalia a eficiência na provisão de serviços de saúde no Brasil, em comparação com os países da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE). As principais metodologias de avaliação utilizadas são as fronteiras de eficiência, calculadas em modelos de Análise Envoltória de Dados - Data Envelopment Analysis (DEA) e de fronteiras estocásticas (stochastic frontiers), e os resultados não são totalmente desfavoráveis ao Brasil.
Descritores: Brasil
Eficiência
Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico
Serviços de Saúde
Sistemas de Saúde
-Brasil
Responsável: BR1541.1 - Biblioteca
BR1541.1; 330.908, I59 TDI1370


  7 / 7 LILACS  
              first record previous record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo SciELO Saúde Pública
Texto completo
Id: biblio-961650
Autor: Villalobos Dintrans, Pablo.
Título: Envejecimiento y cuidados a largo plazo en Chile: desafíos en el contexto de la OCDE / Aging and long-term care in Chile: challenges in the OECD context / Envelhecimento e assistência a longo prazo no Chile: desafios no contexto da OCDE
Fonte: Rev. panam. salud pública = Pan am. j. public health;41:e86, 2017. graf.
Idioma: es.
Resumo: RESUMEN Chile se encuentra en pleno proceso de transición demográfica y su población envejece rápidamente. Esta situación presenta múltiples desafíos de política pública, incluidos los del área de la salud pública. En concreto, la relación entre el envejecimiento y la pérdida de la autonomía exige diseñar con urgencia una política de cuidados a largo plazo en el país. El objetivo de este documento es describir el escenario actual de los cuidados a largo plazo en Chile usando la experiencia de los países de la Organización para la Cooperación y el Desarrollo Económico, para poner de manifiesto la necesidad de avanzar en el diseño y el financiamiento de una política coordinada en el país, que permita afrontar con antelación los desafíos del envejecimiento en las próximas décadas.

ABSTRACT Chile is fully in the process of demographic transition, with a rapidly aging population. This situation poses multiple public policy challenges, including those in the public health sector. Specifically, the association between aging and the loss of autonomy calls for the rapid design of a long-term care policy in the country. The purpose of this article is to describe Chile's current situation with respect to long-term care in aging, using the experience of the countries of the Organisation for Economic Co-operation and Development to draw attention to the need to move forward with the design and financing of a coordinated policy in the country that will permit early action to meet the challenges of aging in the coming decades.

RESUMO O Chile está em pleno processo de transição demográfica e a população do país está envelhecendo rapidamente. Esta situação apresenta vários desafios de políticas públicas, inclusive em saúde pública. Especificamente, a relação entre o envelhecimento e a perda de autonomia requer o planejamento com urgência de uma política de assistência a longo prazo no país. O objetivo deste documento é descrever o cenário atual de assistência a longo prazo diante do envelhecimento no Chile com base na experiência dos países da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico a fim de evidenciar a necessidade de avançar no planejamento e financiamento de uma política coordenada que permita enfrentar com antecedência os desafios do envelhecimento no país nas próximas décadas.
Descritores: Fatores de Tempo
Seguro de Assistência de Longo Prazo
Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico/organização & administração
-Chile
Limites: Humanos
Pessoa de Meia-Idade
Idoso
Idoso de 80 Anos ou mais
Responsável: BR1.1 - BIREME



página 1 de 1
   


Refinar a pesquisa
  Base de dados : Formulário avançado   

    Pesquisar no campo  
1  
2
3
 
           



Search engine: iAH v2.6 powered by WWWISIS

BIREME/OPAS/OMS - Centro Latino-Americano e do Caribe de Informação em Ciências da Saúde