Base de dados : LILACS
Pesquisa : SP9.020.020.010 [Categoria DeCS]
Referências encontradas : 3 [refinar]
Mostrando: 1 .. 3   no formato [Detalhado]

página 1 de 1

  1 / 3 LILACS  
              next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo
Texto completo
Id: biblio-1021593
Autor: Paiva, Raquel; Carmelini, Leandro José.
Título: Circulação e cidadania: modos de comunicar na cidade / Circulation and citizenship: ways of communicating in the city / Circulación y ciudadanía: formas de comunicación en la ciudad
Fonte: RECIIS (Online);13(3):681-690, jul.-set. 2019.
Idioma: pt.
Resumo: Este texto pretende discutir, a partir de uma perspectiva comunicacional, a relação entre circulação urbana e cidadania. Em um primeiro momento introdutório, nos deteremos principalmente nos conceitos de sistemas comunicacionais, comum e comunicação. Em seguida, pensaremos como o paradigma moderno de circulação, histórica e contemporaneamente, interfere na organização do comum e nos espaços da cidade de modo a privilegiar circuitos domésticos e de consumo em detrimento de usos e ocupações mais livres do espaço público. Por fim, discutiremos sobre a ideia de cidadania no Brasil para pensar com há uma relação explícita no modo como se circula na cidade, se constitui o comum urbano e se dispõe de certos direitos, especificamente o de liberdade de locomoção, ou, se quisermos, o direito de ir e vir.

This text intends to discuss, from a communicational perspective, the relationship between urban circulation and citizenship. In the first introductory moment, we will focus mainly on the concepts of communication, common and communication systems. Next, we will think about how the modern paradigm of circulation, historically and contemporarily, interferes with the organization of the commons and the city spaces in order to privilege domestic and consumption circuits over the freer uses and occupations of public space. Finally, we will discuss about the idea of citizenship in Brazil to think with there is an explicit relation in the way it circulates in the city, if it constitutes the urban common and if it has certain rights, specifically freedom of movement, or, if we wish, the right to come and go.

Este texto pretende discutir, desde una perspectiva comunicacional, la relación entre la circulación urbana y la ciudadanía. En el primer momento introductorio, nos centraremos principalmente en los conceptos de comunicación, sistemas comunes y de comunicación. A continuación, pensaremos cómo el paradigma moderno de la circulación, histórica y contemporáneamente, interfiere con la organización de los espacios comunes y municipales para privilegiar los circuitos domésticos y de consumo sobre los usos y ocupaciones más libres del espacio público. Finalmente, discutiremos sobre la idea de ciudadanía en Brasil para pensar que existe una relación explícita en la forma en que circula en la ciudad, si constituye el común urbano y si tiene ciertos derechos, específicamente la libertad de movimiento o, si lo deseamos, El derecho a ir y venir.
Descritores: Transportes
Comunicação
Área Urbana
Participação da Comunidade
Liberdade de Circulação
-Reforma Urbana
Cidades
Planejamento de Cidades
Veículos Automotores
Direitos Socioeconômicos
AMERICAN NURSES' ASSOCIATIONABDOMINAL INJURIESABDOMEN
Limites: Seres Humanos
Responsável: BR526.1 - Biblioteca de Saúde Pública


  2 / 3 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo
Id: biblio-946383
Autor: Abilio, Carolina Cássia Conceição.
Título: "É uma sensação de vácuo": contribuições da sociologia da mobilidade sobre o uso da bicicleta na cidade de São Paulo / "It feels like being pushed in": contributions of sociology of mobility on bicycle use in the in the city of São Paulo.
Fonte: São Paulo; s.n; 2018. 149 p.
Idioma: pt.
Tese: Apresentada a Universidade de São Paulo. Faculdade de Saúde Pública. Departamento de Saúde Ambiental para obtenção do grau de Mestre.
Resumo: O uso da bicicleta na cidade de São Paulo para fins de deslocamento não é um fenômeno novo e muito menos trazido e/ou baseado sobre infraestrutura existente. Ciclistas enfrentam as ruas da cidade há mais de 10 anos, e tem tido influências crescentes na participação de políticas públicas de mobilidade que concernem a bicicleta. Contudo, fato é que a inclusão da bicicleta como peça-chave no desenho de políticas municipais durante os anos de 2012-2016 deu visibilidade acadêmica, social, econômica e cultural à bicicleta. Essa emersão deu margem à uma onda de novos ciclistas e impactou concretamente o cenário da bicicleta urbana na cidade. Essa pesquisa contemplou dois objetivos: o primeiro deles compreender como a bicicleta é utilizada pelos diversos atores sociais da cidade, e o impacto disso com relação à estilos de vida, sociabilidades, apropriação do espaço urbano, e o aspecto intrinsicamente corporal que tangencia essa experiência. O segundo objetivo foi a construção empírica diferenciada de um problema de pesquisa contemporâneo norteado pelo Paradigma das Novas Mobilidades e os Métodos Móveis, amparado no campo do conhecimento recente da Sociologia da Mobilidade. Ao contrário do discurso predominante relacionado à bicicleta, no qual se associa o "novo" modal à liberdade, simplicidade, economia, facilidade e praticidade, os resultados encontrados apontam que isso é apenas uma faceta da experiência vivida por ciclistas em uma cidade com alto índice de desigualdade como São Paulo, circunscrita a um grupo de ciclistas que circulam em determinados espaços sociais. Fazendo uso do conceito de motilidade surgido a partir de uma visão crítica pautada no Paradigma das Novas Mobilidades, é argumentado que embora a bicicleta tenha sido associada nos últimos anos com liberdade e direito à cidade por parte de seus usuários, em muitos casos a experiência que se tem da cidade sob essa perspectiva é agressiva, desconfortável, perigosa e nociva à saúde. A bicicleta é o instrumento único por meio da qual uma parcela empobrecida da população, moradora de regiões periféricas, é capaz de acessar trabalho, lazer, bens e serviços da cidade. Por outro lado, moradores de bairros centrais usufruem da maior porcentagem da infraestrutura cicloviária existente, e utilizam a bicicleta como mais uma modalidade de transporte em seu leque de opções. A pesquisa também possibilitou algumas inovações metodológicas, na forma de uma ferramenta desenvolvida para a coleta dos dados. Por fim, ao pensar no planejamento de uma política pública que concerne o Sistema de Mobilidade Urbana, é necessário pautar a bicicleta como sendo um mais um dispositivo inserido dentro de sistema coletivo de transportes que não abarcou a tempo o crescimento exponencial da cidade e de sua região metropolitana, tornando-o desconexo, obsoleto e à margem das necessidades cotidianas de seus usuários. Para que os benefícios da bicicleta possam impactar em grande escala a população da cidade, é essencial que ela seja pensada e planejada como um elemento na complexa rede de mobilidade da cidade de São Paulo - em meio a sistemas de transporte sobre trilhos, ônibus, automóveis particulares, e mobilidade a pé -, e não apenas como um dispositivo que margeia esse sistema

The use of the bicycle in the city of São Paulo for purposes of mobility is not a new phenomenon, much less brought and/or based on existing infrastructure. Cyclists have faced the city streets for more than 10 years, and have had growing influence in the participation of public mobility policies concerning cycling. However, the inclusion of cycling as a key element in the design of municipal policies during the years 2012-2016 gave academic, social, economic and cultural visibility to the bicycle. This emergence gave way to a wave of new cyclists and affected the urban bike scene in the city. This research contemplated two objectives: the first one was to understand how the bicycle is used by the various social actors of the city, and its impact regarding lifestyles, sociabilities, appropriation of urban space, and the intrinsically corporal aspect that tangents the cycling experience. The second objective was the differentiated empirical construction of a contemporary research problem guided by the New Mobilities Paradigm and the Mobile Methods, supported by the recent field of knowledge of the Sociology of Mobility. Unlike the predominant discourse related to the bicycle, in which the "new" modal is associated with freedom, simplicity, economy, ease, and practicality, the results found point out that this is only one facet of the experience of cyclists in a city with a high index of inequality as São Paulo, circumscribed to a group of cyclists that circulate in certain social spaces. Making use of the concept of motility arising from a critical view based on the New Mobilities Paradigm, it is argued that although the bicycle has been associated in recent years with freedom and right to the city by its users, in many cases the city experience by cycling is aggressive, uncomfortable, dangerous and harmful to health. The bicycle is the only instrument through which an impoverished portion of the population, living in peripheral regions, is able to access work, leisure, goods, and services of the city. On the other hand, residents of central districts enjoy the largest percentage of existing bicycle infrastructure and use the bicycle as another mode of transportation in their range of options. The research also enabled some methodological innovations, in the form of a tool developed for data collection. Finally, when thinking about the planning of a public policy that concerns the Urban Mobility System, it is necessary to pinpoint the bicycle as one more device inserted within a collective transportation system that did not include the exponential growth of the city and its metropolitan region, making it disconnected, obsolete and at the margin of the daily needs of its users. In order for the bicycle's benefits to impact the city's population on a large scale, it is essential that it be designed and planned as an element adding to the complex mobility network of São Paulo - amid transport rail systems, buses, private cars, and walk -, and not simply as a tool that serves this systems
Descritores: Estilo de Vida Saudável
Liberdade de Circulação
Fatores Sociológicos
Transportes
Área Urbana
-Sociologia
Responsável: BR67.1 - CIR - Biblioteca - Centro de Informação e Referência
BR67.1; Mtr. 344; BR67.1; Mtr. evisada. 344


  3 / 3 LILACS  
              first record previous record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo SciELO Brasil
Texto completo
Id: lil-624153
Autor: Araújo, Marley Rosana Melo de; Oliveira, Jonathan Melo de; Jesus, Maísa Santos de; Sá, Nelma Rezende de; Santos, Párbata Araújo Côrtes dos; Lima, Thiago Cavalcante.
Título: Transporte público coletivo: discutindo acessibilidade, mobilidade e qualidade de vida / Collective public transportation: discussing accessibility, mobility and quality of life
Fonte: Psicol. soc. (Online);23(3):574-582, set.-dez. 2011. tab.
Idioma: pt.
Resumo: A realização da função social do trânsito passa necessariamente pelo atendimento às demandas dos seus participantes por acessibilidade, mobilidade e qualidade de vida. Mobilidade compreende a facilidade de deslocamento das pessoas e bens na cidade em função das complexas atividades nela desenvolvidas, constituindo um componente da qualidade de vida aspirada por seus habitantes. Problemas na infra-estrutura e qualidade do transporte comprometem a mobilidade e a capacidade de deslocamento. Acessibilidade constitui a facilidade, em distância, tempo e custo, em alcançar fisicamente os destinos desejados, encerrando a efetividade do sistema de transporte em conectar localidades separadas. Traduz uma relação entre pessoas e espaço diretamente relacionada à qualidade de vida dos cidadãos. Falar em qualidade de vida no trânsito implica necessariamente abordar o sistema de transporte das cidades, sobretudo o coletivo, de maneira a problematizar sua influência na configuração do desenho urbano e o consequente impacto na acessibilidade e mobilidade dos atores sociais.

The accomplishment of the transit social function goes necessarily through the fulfillment of its participants' demands of accessibility, mobility and quality of life. Mobility includes the ease of people and properties movement in the city in terms of the complex activities carried out, composing a component of the quality of life wanted by its residents. Problems in infrastructure and transportation quality compromise the mobility. Accessibility constitutes the ease, related to distance, time and cost, in reaching the desired destination, comprehending the effectiveness of the transport system as connecting separated locations. It reflects a relationship between people and space directly related to the citizens' quality of life. Talking about quality of life in traffic necessarily needs to investigate the transport system of cities, especially the collective, in order to discuss its influence on the configuration of urban design, and the consequent impact on the accessibility and mobility of social actors.
Descritores: Qualidade de Vida
Transportes
Veículos Automotores
Liberdade de Circulação
Responsável: BR1.1 - BIREME



página 1 de 1
   


Refinar a pesquisa
  Base de dados : Formulário avançado   

    Pesquisar no campo  
1  
2
3
 
           



Search engine: iAH v2.6 powered by WWWISIS

BIREME/OPAS/OMS - Centro Latino-Americano e do Caribe de Informação em Ciências da Saúde