Base de dados : LILACS
Pesquisa : D12.776.124.486.485.114.071.500 [Categoria DeCS]
Referências encontradas : 8 [refinar]
Mostrando: 1 .. 8   no formato [Longo]

página 1 de 1

  1 / 8 LILACS  
              next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Camargos, Paulo Augusto Moreira
Texto completo
Id: biblio-882371
Autor: Gomide, Luciana Diniz; Camargos, Paulo Augusto Moreira; Ibiapina, Cássio da Cunha1.
Título: Consenso de asma sob a forma de um mapa conceitual / Guidelines of asthma in the form of a concept map
Fonte: Rev. méd. Minas Gerais;26(supl. 2):26-30, 2016. ilus, tab.
Idioma: pt.
Resumo: Objetivo: o presente trabalho tem por objetivo apresentar sobre a forma de mapa conceitual o consenso de asma na Pediatria. Métodos: foi realizada a revisão do consenso GINA e apresentaram-se conjuntos de ideias e conceitos sobre o tema sob a forma de um mapa conceitual. Resultados: a asma é definida como doença inflamatória crônica de via aérea inferior. Seu diagnóstico em crianças é clínico e deve basear-se em história de sintomas característicos, exame físico e evidência de limitação variável do fluxo aéreo expiratório. A avaliação da asma baseia-se no controle dos sintomas após o tratamento adequado e na minimização dos riscos futuros que contribuem para a ocorrência de exacerbações e gravidade da sintomatologia. De acordo com nível de controle pode ser classificada em controlada, parcialmente controlada e fora de controle. O tratamento visa ao controle dos sintomas e à redução dos riscos futuros, mormente exacerbações ("crises"). O componente terapêutico não farmacológico fundamenta-se em tentar controlar os fatores de risco potencialmente evitáveis e o tratamento farmacológico é dividido em etapas que variam de um a cinco, com utilização de broncodilatadores de curta ação nas crises além corticoides inalatórios associados ou não a broncodilatadores de longa duração, antagonistas de leucotrienos e ainda anti-IgE na etapa 5. Conclusões: o médico, ao se deparar com uma criança com asma, deve acompanhar periodicamente a sua evolução, verificar os problemas e dificuldades existentes para o tratamento de maneira individualizada, adequando e analisando a resposta terapêutica passo a passo.(AU)

Objective: the present study aims to present in the form of a conceptual map consensus of asthma in Pediatrics. Methods: the GINA consensus review was performed. Issues and concepts about the theme were presented in the form of a map. Results: Asthma is defined chronic inflammatory disease of the lower airway. The diagnosis of asthma in children is clinical and must be based on a history of characteristic symptoms, physical examination, and evidence of expiratory air flow limitation. The evaluation of asthma is based on symptoms controls after proper treatment and the decrease of future risks that contribute to the occurrence of exacerbations and severity of symptoms. According to level of control can be classified into controlled, partly controlled and out of control. Treatment aims to control symptoms and reduce future risks; non-pharmacological treatment is based on trying to control the potentially avoidable risk factors; The pharmacological treatment is divided into steps ranging from 1 to 5 with use of short-acting bronchodilators for exacerbations, inhaled corticosteroids associated or not with the long-acting bronchodilators; leukotriene antagonists and also anti IgE in step 5. Conclusions: The doctor when faced with a child with asthma should periodically monitor its progress, check the problems and difficulties for the treatment analyzing therapeutic response step by step(AU)
Responsável: BR21.1 - Biblioteca J Baeta Vianna- Campus Saúde UFMG


  2 / 8 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo
Texto completo
Id: biblio-848272
Autor: Perú. EsSalud. Instituto de Evaluación de Tecnologías en Salud e Investigación.
Título: Eficacia y seguridad de omalizumab en el tratamiento de pacientes con asma alérgica persistente severa no controlada con el tratamiento estandar optimazado / Efficacy and safety of omalizumab in the treatment of patients with severe persistent allergic asthma uncontrolled with optimazed standard treatment.
Fonte: Lima; s.n; nov. 2016.
Idioma: es.
Resumo: INTRODUCCIÓN: Antecedentes: El presente dictamen expone la evaluación de tecnología de la eficacia y seguridad de omalizumab en el tratamiento de pacientes con asma alérgica persistente severa no controlada con ek tratamiento estándar optimizado (refractaria). Aspectos Generales: El asma es una condición inflamatoria crónica de las vías aéreas caracterizada por producción de esputo, obstrucción del flujo aéreo y tos. Los sintomas varian en frecuencia y en gravedad, deste intermitente leve, hasta persistente severa. Existen dos forma de asma: alérgica y no alérgica. El asma alérgica es el resultado de una producción excesiva de inmunoglobulina E (IgE) en respuesta a alérgenos ambientales como los ácaros del polvo de la casa, el polen y los hongos. El asma no alérgica puede ser desencadeada por factores como la ansiedad, el estrés, el ejercício, el aire frio, el humo y la infección. Tecnología Sanitaria de Interés: El Omalizumab, también conocido como rhuMAb-E25, rhu-Mab o Xolair, es un anticuerpo IgG1 monoclonal recombinante humanizado que se une a la Ig-E. Este anticuerpo anti-IgE forma complejos con los IgE libres, y de esta manera bloquea la interacción entre la IgE y las células inflamatorias. METODOLOGÍA: Estrategia de Búsqueda: Se realizó una búsqueda de la literatura con respecto a la eficacia y seguridad de omalizumab como agente adicional al tratamiento estándar optimizado de pacientes con asma alérgica persistente severa no controlada (o refractaria) a pesar del uso de altas dosis de CE!, beta 2 agonistas de acción prolongada y corticoesteroides orales.Esta búsqueda se realizó utilizando los meta-buscadores: Translating Research into Practice (TRIPDATABASE). national Library of Medicine (Pubmed-Medline) y Health System Evidence. Adicionalmente, se amplió la búsqueda revisando la evidencia generada por grupos internacionales que realizan revisiones sistemáticas (RS), evaluación de tecnologías sanitarias (ETS) y guías de práctica clínica (GPC), tales como la Cochrane Group, The National Institute for Helath and Care Excellence (NICE), the Agency for Helath care Research and Quality (AHRQ), The Canadian Agency for Drugs and Technologies in Helath (CADTH) y The Scottish Medicines Consortium (SMC). Esta búsqueda se completó ingresando a la página web www.clinicaltrials.gov, para así poder indentificar ensayos clínicos en elaboración o queno hayan sido publicados aún, y así disminuir el riesgo de sesgo de publicación. RESULTADOS: Sinopsis de la Evidencia: Se realizó la búsqueda bibliográfica y de evidencia científica para el sustento del uso de omalizumab como agente adicional al tratamiento estándar optimizado de pacientes con asma alérgica persistente severa no controlada (o refractaria) a pesar del uso de altas dosis de CEI, beta 2 agonistas de acción prolongada y CEO. Se presenta la evidencia disponible según el tipo de publicación en los criterios de inclusión. CONCLUSIONES: El asma alérgico es resultado de una producción excesiva de inmunoglobulina E (IgE) en respuesta a alérgenos ambientales como los ácaros del polvo de la casa, el polen y los hongos. Los pacientes con asma alérgica persistente severa no controlada tienen alto riesgo de padecer excerbaciones, hospitalizaciones y menor calidad de vida. Los pacientes que recibieron omalizumab experimentaron significativamente menos eventos adversos serios como la anafilaxia y los eventos trombólicos que aquellos que recibieron palcebo. Los eventos adversos más comunes en el grupo que uso omalizumab fueron las reacciones del sitio de la inyección. Respecto a la mortalidad, no se obervaron diferencias significativas entre el grupo de omalizumab s.c y placebo. Los pacientes de interés es esta evaluación son pacientes con el mayor grado de severidad de asma alérgica, que no consiguen el control de la enfermedad a pesar del tratamiento optimizado del último escalón del manejo del asma recomendado por las GPCs internacionales, que incluyen el uso de corticoides orales. Estos pacientes ya hicieron uso de todos los agentes disponibles recomendados, y necesitan de otros agentes para controlar la enfermedad. Omalizumab puede ser considerado como un medicamento adicional al tratamiento estándar óptimo para reducir la tasa de exacerbaciones, clinicamente significativas y severas del grupo más severo de pacientes con asma alértica, evitando así el uso de los recursos de salud y la reducción de la frecuencia de CEO. El benefício en la reuucción del uso de CEO se reflejaria en menor riesgo de exposición para desarrollar un enorme número de eventos adversos asociados. En este grupo se encuentran la fractura ósea, diabetes mellitus, ulcera péptica, infarto de miocardio, ictus cerebral, cataratas, glaucoma, disturbios del sueño y del ánimo, y ganancia de peso. El Instituto de Evaluación de Tecnologías Sanitarias-IETSI, aprueba por el período de un año a partir de la fecha de publicación del presente dictamen preliminar el uso de omalizumab para el tratamiento de pacientes con asma alérgico mediado por IgE persistente severo. Asimismo, debido a que la evidencia del benefício de omalizumab en este tipo de pacientes no es robusta, se establece que el efecto del uso de este medicamento se evaluará con datos de los pacientes que hayan recibido el tratamiento por el tiempo autorizado, incluyendo evaluación económica para determinar su impacto. Esta información servirá para una reevaluació del medicamento, incluyendo una evaluación económica al terminar la vigencia de este dictamen.
Responsável: BR1.1 - BIREME


  3 / 8 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo SciELO Chile
Texto completo
Id: biblio-844378
Autor: Herrera G, Ana María; Hernández C, Jury; Perillán T, José Antonio; Lezana S, Viviana; Álvarez G, Cecilia; Marinovic M, María Angélica; Navarrete C, Pamela; Cruz B, Carolina; Campusano T, Luis.
Título: Tratamiento del asma severo con omalizumab: experiencia pediátrica en Chile y revisión de la literatura / Omalizumab treatment on severe asthma patients: pediatric experience in Chile and literature review
Fonte: Rev. chil. enferm. respir;32(3):160-168, set. 2016. tab.
Idioma: es.
Resumo: This paper presents clinical experience with Omalizumab treatment in 8 pediatric patients in Chile. All children presented difficult to control asthma despite receiving high intensity treatment, with low quality of life. All patients were studied in order to discard errors in asthma diagnosis and to evaluate asthma treatment adherence and inhalation technique. After evaluation, patients proven to have severe therapy resistant asthma were indicated treatment with Omalizumab. Significant clinical improvement was observed, with reduced asthma symptoms and number of exacerbations, as well as an improved quality of life. Omalizumab showed a good safety profile with mild and transient adverse reactions in 6 administrations of a total of 122.

Se presenta la experiencia clínica con el uso de Omalizumab en 8 pacientes pediátricos en nuestro país. Todos los pacientes presentaban asma sin control a pesar de recibir terapia de alta intensidad, asociado a una muy deficiente calidad de vida. La totalidad de los pacientes fueron sometidos en cada centro a un estudio exhaustivo para poder descartar error en el diagnóstico y se evaluó la adherencia y la técnica inhalada. Al comprobarse que estos pacientes tenían asma severo resistente a tratamiento se indicó Omalizumab, el cual produjo una mejoría clínica significativa. Se observó una reducción de las exacerbaciones y de los síntomas de asma acompañado de una mejoría de la calidad de vida, asociado a un buen perfil de seguridad. Se observaron reacciones adversas leves y transitorias en 6 administraciones de un total de 122.
Responsável: CL1.1 - Biblioteca Central


  4 / 8 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Texto completo
Texto completo
Id: biblio-837305
Autor: Brasil. Ministério da Saúde. Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologias no SUS.
Título: Omalizumabe para o tratamento da asma alérgica grave / Omalizumab for the treatment of severe allergic asthma.
Fonte: Brasília; CONITEC; jul. 2016. tab, ilus.
Idioma: pt.
Resumo: Contexto: A asma é uma doença heterogênea, geralmente caracterizada por inflamação crônica das vias aéreas. A OMS estima que atualmente existam 235 milhões de pessoas com asma no mundo. Estima-se que, aproximadamente 5% dos pacientes asmáticos apresentem asma grave não é controlada com CI e LABA. O Protocolo Clínico e Diretrizes Terapêuticas (PCDT) da Asma do Ministério da Saúde classifica a asma em intermitente, persistente leve, persistente moderada e persistente grave. Para o tratamento da asma grave, o PCDT recomenda o uso de altas doses de CI associado a LABA; no caso da doença não ser controlada com esses medicamentos, pode-se aumentar a dose dos medicamentos e associar corticoide oral na dose mínima efetiva. Pergunta: O uso do omalizumabe é eficaz e seguro como terapia adicional ao tratamento padrão em pacientes diagnosticados com asma alérgica grave não controlada apesar do uso de média ou alta dose de CI associado a LABA (terapia padrão), quando comparado à terapia padrão isolada? Evidências científicas: Os dados da literatura científica demonstraram que o omalizumabe é um medicamento eficaz em reduzir a incidência de exacerbações, em curto e médio prazo, e em melhorar a qualidade de vida dos pacientes com asma grave não controlada com doses moderadas a altas de CI, associados ou não a LABA. Na maioria dos estudos controlados em adultos, o omalizumabe não mostrou reduções significativas na redução de hospitalizações e atendimentos em emergência ou consultas não programada, quando comparado ao controle. Num estudo que incluiu crianças e adolescentes, o omalizumabe reduziu as hospitalizações relacionadas à asma, mas no estudo que avaliou somente crianças, não houve diferenças entre o omalizumabe e placebo nesse desfecho. O efeito poupador de corticosteroide oral do omalizumabe foi demonstrado nos estudos observacionais. Nos pacientes com asma mais grave, que necessitam do uso de corticosteroide sistêmico e que seriam o grupo que mais se beneficiaria do uso do omalizumabe, as evidências científicas possuem limitações metodológicas. Poucos estudos avaliaram a eficácia do omalizumabe em crianças com asma grave, que provavelmente seriam os maiores beneficiados pela redução das doses de corticosteroides. Discussão: Apesar das evidências científicas demonstrarem a eficácia do omalizumabe na redução de exacerbações e na melhora da qualidade de vida dos pacientes com asma alérgica grave não controlada apesar do uso de média ou alta dose de CI associado a um LABA, as evidências científicas relacionadas aos benefícios do omalizumabe nos pacientes com doença mais grave, que necessitam de corticosteroides orais de forma contínua ou frequente, ainda são limitadas. Além disso, os dados econômicos apresentados possuem limitações importantes em sua construção, podendo determinar uma tecnologia potencialmente pouco custo-efetiva e de elevado impacto orçamentário. Decisão: Não incorporar o omalizumabe para o tratamento da asma alérgica grave não controlada com uso de média ou alta dose de corticoide inalatório associado a um beta 2-agonista de longa ação, no âmbito do Sistema Único de Saúde ­ SUS, dada pela Portaria SCTIE-MS nº 28 publicada no Diário Oficial da União (DOU) nº 130, de 08 de julho de 2016.
Responsável: BR1.1 - BIREME


  5 / 8 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Texto completo
Texto completo
Id: biblio-837207
Autor: Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos.
Título: Omalizumabe para o tratamento da asma grave / Omalizumab for the treatment of severe asthma.
Fonte: Brasília; CONITEC; abr. 2013. tab.
Idioma: pt.
Resumo: A asma é uma doença inflamatória crônica das vias respiratórias, geralmente associada à hiper-reatividade das vias aéreas e obstrução do fluxo de ar e caracterizada por crises recorrentes de sibilos, dispneia, opressão torácica e tosse. Durante uma crise asmática, cuja frequência e gravidade variam de pessoa para pessoa, a membrana que envolve os brônquios se torna edemaciada, o que provoca estreitamento das vias aéreas e reduz o fluxo de ar para dentro e fora dos pulmões. Afeta tanto adultos quanto crianças e é a doença crônica mais comum entre essas últimas. A asma é um problema de saúde pública e ocorre em todos os países independentemente do seu nível de desenvolvimento econômico. Entretanto, a maior parte das mortes relacionadas a essa doença ocorrem em países de renda baixa e média baixa. A Organização Mundial de Saúde ­ OMS estima que atualmente existam 235 milhões de pessoas com asma no mundo. Considerando uma prevalência global de 10%, estima-se que no Brasil existam aproximadamente 20 milhões de asmáticos. Os medicamentos usados no tratamento da asma podem ser classificados como controladores ou de alívio. Os medicamentos controladores possuem atividade anti-inflamatória, são utilizados diariamente por um longo período de tempo para manter o controle clínico da asma e constituem a base do tratamento medicamentoso da asma persistente. Incluem os corticosteroides inalatórios (CI) e orais (CO), os beta2 - agonistas de longa ação (B2LA) em associação aos CI, os antileucotrienos, a teofilina de ação prolongada e a imunoterapia anti-IgE. Os medicamentos de alívio são usados conforme a necessidade, com o objetivo de atuar rapidamente, revertendo a broncoconstrição e aliviando os sintomas, incluem os beta-2 agonistas inalatórios de curta ação, anticolinérgicos inalatórios e teofilina de curta ação. Omalizumabe é uma imunoterapia inespecífica anti-IgE indicada para adultos e crianças (acima de 6 anos de idade) com asma alérgica persistente moderada a grave cujos sintomas são inadequadamente controlados com corticosteroides inalatórios. A segurança e a eficácia do medicamento não foram estabelecidas em outras condições alérgicas. As referências disponíveis até o momento mostram que o omalizumabe, quando adicionado à terapia padrão no tratamento de pacientes com asma moderada a grave, reduz as taxas de exacerbação da doença, em relação ao placebo ou terapia padrão isolada. O estudo de avaliação econômica apresentado pelo demandante mostrou que o medicamento é custo-efetivo. Os membros da CONITEC presentes na 3ª reunião extraordinária do plenário do dia 20/12/2012, por unanimidade, ratificaram a deliberação de não recomendar a incorporação do medicamento omalizumabe para o tratamento da asma alérgica grave não controlada mesmo com a adição de corticosteroide oral (etapa 5 das diretrizes da SBPT para o Manejo da Asma), em pacientes acima de 6 anos. Além disso, recomendaram a atualização do Protocolo Clínico e Diretrizes Terapêuticas da Asma (2010), do Ministério da Saúde, com avaliação da possibilidade de inclusão do medicamento para situações específicas. A Portaria SCTIE-MS N.º 14, de 2 de abril de 2013 - Torna pública a decisão de não incorporar o medicamento omalizumabe para o tratamento de asma grave no Sistema Único de Saúde (SUS).
Responsável: BR1.1 - BIREME


  6 / 8 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Texto completo
Id: biblio-831721
Autor: Distrito Federal (Brasil). Secretaria de Estado de Saúde. Comissão Permanente de Protocolos de Atenção à Saúde.
Título: Protocolo de Atenção à Saúde: protocolo clínico - omalizumabe / Protocol of Attention to Health: clinical protocol - omalizumabe.
Fonte: Brasília, DF; Distrito Federal. (Brasil). Secretaria de Estado de Saúde. Comissão Permanente de Protocolos de Atenção à Saúde; 3 jan. 2014.
Idioma: pt.
Responsável: BR1.1 - BIREME


  7 / 8 LILACS  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo SciELO Brasil
Stein, Renato Tetelbom
Texto completo
Id: lil-759331
Autor: Rodrigues, Andrea Mendonça; Roncada, Cristian; Santos, Giovana; Heinzmann-Filho, João Paulo; Souza, Rodrigo Godinho de; Vargas, Mauro Henrique Moraes; Pinto, Leonardo Araújo; Jones, Marcus Herbert; Stein, Renato Tetelbom; Pitrez, Paulo Márcio.
Título: Clinical characteristics of children and adolescents with severe therapy-resistant asthma in Brazil / Características clínicas de crianças e adolescentes brasileiros com asma grave resistente a terapia
Fonte: J. bras. pneumol;41(4):343-350, July-Aug. 2015. tab, ilus.
Idioma: en.
Resumo: AbstractObjective: To describe the clinical characteristics, lung function, radiological findings, and the inflammatory cell profile in induced sputum in children and adolescents with severe therapy-resistant asthma (STRA) treated at a referral center in southern Brazil.Methods: We retrospectively analyzed children and adolescents (3-18 years of age) with uncontrolled STRA treated with high-dose inhaled corticosteroids and long-acting β2 agonists. We prospectively collected data on disease control, lung function, skin test reactivity to allergens, the inflammatory cell profile in induced sputum, chest CT findings, and esophageal pH monitoring results.Results: We analyzed 21 patients (mean age, 9.2 ± 2.98 years). Of those, 18 (86%) were atopic. Most had uncontrolled asthma and near-normal baseline lung function. In 4 and 7, induced sputum was found to be eosinophilic and neutrophilic, respectively; the inflammatory cell profile in induced sputum having changed in 67% of those in whom induced sputum analysis was repeated. Of the 8 patients receiving treatment with omalizumab (an anti-IgE antibody), 7 (87.5%) showed significant improvement in quality of life, as well as significant reductions in the numbers of exacerbations and hospitalizations.Conclusions: Children with STRA present with near-normal lung function and a variable airway inflammatory pattern during clinical follow-up, showing a significant clinical response to omalizumab. In children, STRA differs from that seen in adults, further studies being required in order to gain a better understanding of the disease mechanisms.

ResumoObjetivo: Descrever as principais características clínicas, a função pulmonar, as características radiológicas e o perfil inflamatório do escarro induzido de crianças e adolescentes com asma grave resistente a terapia (AGRT) tratados em um centro de referência do sul do Brasil.Métodos: Foram analisadas retrospectivamente crianças e adolescentes de 3-18 anos com diagnóstico de AGRT não controlada acompanhados durante pelo menos 6 meses e tratados com doses elevadas de corticoide inalatório associado a um β2-agonista de longa duração. Foram coletados prospectivamente dados relativos ao controle da doença, função pulmonar, teste cutâneo para alérgenos, perfil inflamatório do escarro induzido, TC de tórax e pHmetria esofágica.Resultados: Foram analisados 21 pacientes (média de idade: 9,2 ± 2,98 anos). Dos 21, 18 (86%) eram atópicos. A maioria apresentava asma não controlada e função pulmonar basal próxima do normal. Em 4 e 7 pacientes, o escarro induzido revelou-se eosinofílico e neutrofílico, respectivamente, e 67% dos pacientes que repetiram o exame apresentaram mudança no perfil inflamatório. Dos 8 pacientes que receberam omalizumabe (um anticorpo anti-IgE), 7 (87,5%) apresentaram melhora importante da qualidade de vida, com redução importante das exacerbações e hospitalizações.Conclusões: Crianças com AGRT apresentam função pulmonar próxima do normal e padrão inflamatório das vias aéreas variável durante o seguimento clínico, com importante resposta clínica ao omalizumabe. A AGRT em crianças difere da AGRT em adultos, e são necessários mais estudos para esclarecer os mecanismos da doença.
Responsável: BR1.1 - BIREME


  8 / 8 LILACS  
              first record previous record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo
Id: lil-734416
Autor: Máspero, Jorge; Cabrera, Hugo; Ardusso, Ledit; De Gennaro, Mónica; Fernández Bussy, Ramón; Galimany, José; Galimberti, Daniel; Label, Marcelo; La Forgia, Marta; Medina, Iris; Neffen, Hugo; Troielli, Patricia.
Título: Guía Argentina de urticaria y angioedema
Fonte: Medicina (B.Aires);74(supl.1):1-53, ago. 2014. ilus, tab.
Idioma: es.
Resumo: Se actualiza el diagnóstico de la urticaria crónica (UC) y los conceptos, definiciones y sugerencias basados en la evidencia para su tratamiento. La urticaria ocurre en al menos 20% de la población en algún momento de la vida. Su etiología difiere en la forma aguda (menos de 6 semanas), y en la crónica. No es posible pronosticar si las formas agudas evolucionarán a UC, ya que todas son agudas al comienzo. La UC ocurre como espontánea (UCE) o inducible (UCI). El diagnóstico es sencillo, pero incluye un minucioso estudio para descartar diagnósticos diferenciales; para UCI son útiles las pruebas de provocación en la caracterización y manejo. Los estudios complementarios se deben limitar y orientar según sospecha clínica. El tratamiento se divide en tres enfoques: evitación, eliminación o tratamiento del estímulo desencadenante o de la causa, y tratamiento farmacológico. Recientemente éste se modificó, con empleo de antihistamínicos de segunda generación como primera línea y aumento de dosis de antihistamínicos H1 no sedantes, hasta 4 veces, como segunda línea. Los antihistamínicos son fundamentales para tratar la UC; sin embargo, un 40% de los pacientes no logra un buen control pese al aumento de dosis y requiere otro medicamento adicional. La evidencia más reciente considera que un grupo de fármacos puede utilizarse como tercera línea en estos casos, para mejorar la calidad de vida y limitar la toxicidad por el uso frecuente o crónico de esteroides sistémicos. Se recomiendan para esta tercera línea solo 3 fármacos: omalizumab, ciclosporina A o antileucotrienos.

This interdisciplinary paper summarizes the news in the diagnosis and treatment of chronic urticaria (CU), and provides concepts, definitions and evidence-based suggestions for its management. Urticaria occurs in at least 20% of the population at some point in their lives. Acute urticaria (less than 6 weeks' duration), differs from CU in its etiology, but the onset of this disease is always acute. CU may occur as spontaneous (SCU) or induced (ICU). The diagnosis is simple, although a careful evaluation is necessary for differential diagnosis. ICU´s diagnosis is mainly clinical, even if provocation tests can be useful. Supplementary studies should be limited and based on the clinical suspicion. Treatment may be divided into three approaches: avoidance, elimination or treatment of the cause, and pharmacological treatment. Recently treatment has been modified with the use of second-generation antihistamines as first-line and increased doses of nonsedating H1 antihistamines, up to 4 times, as second line. Antihistamines are essential to treat CU; however, 40% of patients do not achieve good control despite increased doses and require additional treatment. The most recent evidence indicates a group of drugs to be used as third line in these cases, to improve quality of life and to limit toxicity from frequent or chronic use of systemic steroids. Only 3 drugs are recommended as third line: omalizumab, cyclosporin A or anti-leukotrienes.
Responsável: AR1.2 - Instituto de Investigaciónes Epidemiológicas



página 1 de 1
   


Refinar a pesquisa
  Base de dados : Formulário avançado   

    Pesquisar no campo  
1  
2
3
 
           



Search engine: iAH v2.6 powered by WWWISIS

BIREME/OPAS/OMS - Centro Latino-Americano e do Caribe de Informação em Ciências da Saúde