Base de dados : BBO
Pesquisa : C07.793.818.249 [Categoria DeCS]
Referências encontradas : 15 [refinar]
Mostrando: 1 .. 10   no formato [Longo]

página 1 de 2 ir para página        

  1 / 15 BBO  
              next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Id: 42715
Autor: Zanelato, Reginaldo.
Título: Tratamento ortodôntico com aparelho autoligável / Orthodontic treatment with self-ligating appliance
Fonte: Rev. clín. ortodon. Dental Press;14(1):74-89, fev.-mar. 2015. ilus.
Idioma: pt.
Resumo: Várias inovações tecnológicas são introduzidas com frequência no mercado ortodôntico. entre elas, podemos destacar os aparelhos autoligáveis, que prometem encurtar o tempo de tratamento, pois têm como característica a baixa fricção, que facilita o início do movimento dentário, pela diminuição da resistência inicial à movimentação. Essa característica de autoligação, comum a todos os braquetes dessa geração, desperta bastante interesse entre os ortodontistas, pois esses acreditam que os tratamentos ortodônticos tornam-se mais fáceis e rápidos. Durante a movimentação dentária, o atrito pode ser estático ou dinâmico, e está intimamente relacionado com o material do braquete, com o contato de arco com o braquete e, principalmente, com o sistema de amarração. Devido à possibilidade de ter controle sobre essas variáveis que influenciam na movimentação ortodôntica, a escolha do sistema de braquetes deverá estar relacionada com os objetivos do tratamento, ou seja, em casos que demandam grandes movimentações por meio do deslizamento, onde o controle de torque não é relevante, braquetes autoligáveis terão melhor desempenho do que os convencionais. (AU)
Responsável: BR1141.1 - Biblioteca Central
BR1141.1


  2 / 15 BBO  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Id: 42420
Autor: Queiroz, Gilberto Vilanova; Rino Neto, José; Paiva, João Batista de; Bellester, Rafael Yague.
Título: Influência da força de atrito na mecânica de deslizamento / Influence of frictional in sliding mechanics
Fonte: Rev. clín. ortodon. Dental Press;13(6):28-38, dez.-jan. 2015. ilus, graf.
Idioma: pt.
Resumo: O presente artigo discorre a respeito dos tipos de atrito na mecânica ortodôntica de deslizamento e os resultados das avaliações in vitro com ênfase em quatro aspectos: (I) diferenças nas forças de atrito entre braquetes autoligáveis e convencionais; (II) diferenças nas forças de ativação, desativação e histerese entre braquetes autoligáveis; (III) novo modelo para mensuração do atrito produzido pela deflexão do fio; (IV) divergência entre os resultados dos estudos in vitro e dos ensaios clínicos. (AU)
Responsável: BR1141.1 - Biblioteca Central
BR1141.1


  3 / 15 BBO  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Id: 41632
Autor: Martins, Renato Parsekian.
Título: Quando que o atrito é bom na Ortodontia? / When the friction is good in Orthodontics?
Fonte: Rev. clín. ortodon. Dental Press;13(3):38-43, jun.-jul. 2014. ilus.
Idioma: pt.
Resumo: Um dos aspectos mecânicos ortodônticos que parece ser mais mal compreendido nos dias de hoje, em todo mundo, é o atrito... (AU)
Responsável: BR1141.1 - Biblioteca Central
BR1141.1


  4 / 15 BBO  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Id: 34058
Autor: Mazzetto, André Henrique; Vedovello, Silvia; Lucatto, Adriana; Maria Jr, Milton Santa; Tubel, Carlos Alberto M; Vedovello Filho, Mário.
Título: Resistência ao deslizamento em fio de aço inoxidável de braquetes nacionais estéticos / Resistence to sliding of national esthetic brackets with stainless steel orthodontic wires
Fonte: Ortho Sci., Orthod. sci. pract;3(11):207-213, 2010. ilus, tab, graf.
Idioma: pt.
Resumo: Este estudo teve como objetivo testar a resistência ao deslizamento de braquetes nacionais estéticos sobre fio ortodôntico de aço inoxidável nacional. Foram utilizados seis diferentes tipos de braquetes (Grupo 1 - Compósito Cristal Tecnident, Grupo 2 - Compósito com Canaleta de Metal Tecnident, Grupo 3 - Cerâmico Abzil, Grupo 4 - Cerâmico Tecnident, Grupo 5 - Compósito Morelli, Grupo 6 - Metálico Morelli utilizado como controle) e dois tipos de fios de aço inoxidável fio 1 (0,018”) e fio 2 (0,016 x 0,022”). Na máquina de testes universais Emic DL2000, a força necessária para a condução do braquete através do fio (pico máximo) foi registrada sob a forma de Gráfico - força x tempo, nas duas espessuras de fio separadamente. Verificou-se que o Grupo 1 e o Grupo 5 assemelham-se tendo as forças de deslizamento menores e pouca variabilidade. Já para os Grupos 3 e 4 produziram os maiores valores de forças de deslizamento. Os Grupos 2 e 6 controle apresentaram valores intermediários aos demais. O fio 2 (0,016 x 0,022”) produziu maior valor de força de resistência ao deslizamento. Pôde-se concluir que os braquetes de compósito nacionais produziram menor resistência a mecânica de deslize (atrito), comparáveis aos braquetes metálicos, sendo uma alternativa viável para os tratamentos com demanda estética. (AU)

The aim of this study was avaluate the resistance to sliding of national aesthetic brackets with stainless steel orthodontic wires. Six different kind of brackets were separate in six groups (G1 - Composite Cristal Tecnident, G2 - Composite with metal “slot” insert Tecnident, G3 - Ceramic Abzil, G4 - Ceramic Tecnident, G5 - Composite Morelli, G6 - Conventional Stainless Steel Morelli as a control group) and two kind of orthodontic stainless steel arch-wires A1 (0.018”) and A2 (0.016 X 0.022”). On the universal testing machine (Emic DL2000), the strengh needed on the traction of each one of 18 specimens was recorded in a graffic - strength X time, for the two dimensions of arch-wires individually. The results showed that G1 and G5 had the lower values of resistance to sliding and little variability. The group G3 and G4 showed the highest scores of resistance to sliding. Group 2 showed low score but with great variability, and G6 control group had scores lower than the G3 and G4 groups but was higher than G1, G2 and G5. On the arch-wires comparison the A1 showed lower values than the A2 arch-wire. It was concluded that the national composite brackets produced lower resistance to sliding mechanics (friction), comparable to metal brackets, being a viable alternative to the treatments with aesthetic demands.
Responsável: BR243.1 - Serviço Técnico de Biblioteca e Documentação
Br243.1


  5 / 15 BBO  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Id: 33124
Autor: Caseiro, Camila Gomes; Long, Sucena Matuk; Chelloti, Adolpho; Raggio, Daniela Prócida; Camargo, Lucila Basto.
Título: Dentinogênese imperfeita - relato de caso clínico* / Dentinogenesis imperfecta - case report
Fonte: Rev. Inst. Ciênc. Saúde;27(2):185-188, abr.-jun.2009. ilus.
Idioma: pt.
Resumo: Dentinogênese imperfeita é uma alteração morfológica da estrutura dentária que pode ocorrer devido ao processo inadequado de diferenciação celular durante a odontogênese. O prognóstico da dentinogênese imperfeita é geralmente desfavorável, considerando a dificuldade em se proteger e restaurar os dentes afetados, devido à baixa receptividade relativa à adesão dos materiais restauradores. Este estudo tem como objetivo chamar atenção dos cirurgiões-dentistas para as característicasdesta anomalia de difícil tratamento e graves sequelas, visando o diagnóstico precoce. Paciente do gênero masculino, cinco anos de idade, com dentes com alteração na cor, perda de esmalte e acentuado desgaste, assim como, obliteração da câmara pulpar, canais atrésicos e rarefações periapicais. O diagnóstico de dentinogênese imperfeita do tipo II foi realizado e os aspectos clínicos, radiográficos e histológicos documentados. Os cirurgiões-dentistas devem estar aptos a realizar o diagnóstico precoce para favorecer o prognóstico e minimizar as complicações relacionadas a esta alteração(AU)
Responsável: BR501.1 - Biblioteca de Ciências da Saúde / Sede Botânico
BR501.1; 00532


  6 / 15 BBO  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Id: 33111
Autor: Belline, Luís Paulo Ferreira; Ortolani, Cristina Lúcia Feijó; Faltin Júnior, Kurt; David, Sandra Maria Nobre; David, Antonio Francisco.
Título: Ajuste oclusal pós-tratamento ortodôntico em pacientes que não apresentam disfunção temporomandibular* / Occlusal adjustment post orthodontic treatment in patients which had not showed disorders of temporomandibular joint
Fonte: Rev. Inst. Ciênc. Saúde;27(1):57:62-61-66, jan.-mar.2009. ilus.
Idioma: pt.
Resumo: O objetivo deste trabalho foi realizar uma revisão de literatura a respeito da necessidade do ajuste oclusal por desgaste seletivo pós-tratamento ortodôntico em pacientes que não apresentavam disfunção temporomandibular, visto que é um procedimento clínico que tem como finalidade obter uma estabilidade mandibular, livre de prematuridades e interferências oclusais. Após revisar a literatura, desde 1899 até 2003, chegou-se à conclusão que o ajuste oclusal pode ser indicado após o tratamento ortodôntico a fim de se obter uma estabilidade mandibular adequada, livre de interferências oclusais, que sabemos causam recidivas e problemas articulares. Porém, o ajuste oclusal por desgaste seletivo, deve ser feito com muito critério, pois qualquer falha em seu planejamento ou execução leva a danos irreversíveis para o paciente(AU)
Responsável: BR501.1 - Biblioteca de Ciências da Saúde / Sede Botânico
BR501.1; 00532


  7 / 15 BBO  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Id: 32807
Autor: Rezende, Fernanda Carvalho de.
Título: Alteração da dimensão vertical de oclusão (DVO): quando e por quê?.
Fonte: Belo Horizonte; s.n; 2010. 28 p.
Idioma: pt.
Tese: Apresentada a Universidade Federal de Minas Gerais. Faculdade de Odontologia para obtenção do grau de Especialista.
Resumo: Existem casos onde a dimensão vertical de oclusão (DVO) precisa ser alterada. Um deles é quando ocorre o desgaste dental severo dos dentes. As consequencias clínicas observadas nesses pacientes quando ocorre a alteração da DVO para menos são aparencia facial envelhecida, falta de espaço interoclusal para reabilitação oral e dificuldade ao pronunciar palavras com sons sibilantes como o "S". O resgates da dimensão vertical de oclusão melhora a estética, mas acima de tudo, restabelece função. O objetivo deste trabalho é rever a literatura relatando clinicamente quando e por que alterar a dimensão vertical de oclusão. (AU)
Responsável: BR365.1 - BIB - Biblioteca
BR365.1; D371, R467a, 2010. MP


  8 / 15 BBO  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Id: 32566
Autor: Sales-Peres, Sílvia Helena de Carvalho.
Título: Desgaste dentário em dentes decíduos e em permanentes e os prováveis preditores de risco / Dental wear in the deciduous and permanent teeth and possible risk predictors.
Fonte: Bauru; s.n; 2009. 183 p. ilus, tab, mapas.
Idioma: pt.
Tese: Apresentada a Universidade de São Paulo. Faculdade de Odontologia de Bauru para obtenção do grau de Professor Livre Docente.
Resumo: Este estudo teve como objetivo verificar a prevalência e a severidade de desgaste dentário em crianças de 7 a 10 anos de idade e relacionar possíveis preditores de risco. A pesquisa foi dividida em etapas, sendo constituída por um estudo piloto, calibração de examinadores e levantamento epidemiológico. A amostra estudada foi composta por 396 crianças, regularmente matriculadas em 5 escolas municipais, contemplando as diferentes áreas geográficas do município de Bauru-SP. Foram analisados desgaste dentário, por meio do índice IDO (Sales-Peres, 2008), cárie dentária (CPOD), fluorose (índice de Dean) e índice de massa corporal (IMC). As análises estatísticas utilizadas foram freqüências relativas e absolutas, análise univariada e regressão logística. O nível de significância adotado foi de 5%. A prevalência encontrada em dentes decíduos foi de 90,91% e em permanentes 72,47%. A severidade do desgaste em dentes decíduos envolveu o esmalte e a dentina e, em permanentes o esmalte foi o tecido dentário mais acometido. O desgaste foi mais prevalente em faces incisais/oclusais e em molares, independente da dentição. Não houve associação entre desgaste dentário e cárie dentária, fluorose, IMC, localização geográfica da escola e gênero. As idades 9 e 10 anos apresentaram associação com o desgaste em dentes permanentes. Incisivos e caninos decíduos apresentaram associação significativa com desgaste em seus respectivos grupos de dentes permanentes. O mesmo aconteceu com a face vestibular, sendo considerada como marcador de risco (p < 0,05). A presença de desgaste em dentes decíduos pode ser utilizada como preditor de risco para o desgaste em dentes permanentes.(AU)

The aim of this study was to verify dental wear prevalence and severity in children aging from 7 to 10 years old, besides to relate possible risk predictors. The research was divided into stages which comprised a pilot study, examiners calibration and epidemiological survey. The studied sample was composed of 396 children who were regularly registered in 5 municipal schools that were located in different geographic areas of the city of Bauru, in the state of Sao Paulo. Dental wear was analyzed by DWI index (Sales-Peres, 2008). Besides that, dental caries (DMFT index), dental fluorosis (Dean Index) and Body Mass Index (BMI) were also analyzed. The statistical analyses applied were relative and absolute frequencies, univariate analysis and logistic regression model. The significance level of 5% was adopted. Dental wear prevalence was 90.01 % for deciduous teeth and 72.47% for permanent teeth. In deciduous teeth, the severity of dental wear involved the enamel and dentin while in permanent teeth the enamel was the most affected dental tissue. Dental wear was most prevalent in oclusal/incisal surfaces and in molars, regardless of the dentition. There was no association between dental wear and dental caries, fluorosis, BMI, geographical localization of the school and gender. The ages of 9 and 10 years-old presented association with dental wear in permanent teeth. Deciduous incisors and canines showed significant association with dental wear in their respective permanent teeth groups. The same occurred with the buccal surface, which was considered a risk marker (p < 0.05). The presence of dental wear in deciduous teeth can be used as a risk predictor for dental wear in permanent teeth.(AU)
Responsável: BR28.1 - Serviço de Biblioteca e Documentação Professor Doutor Antônio Gabriel Atta
BR28.1


  9 / 15 BBO  
              first record previous record next record last record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Id: 31210
Autor: Loureiro Neto, Carlos.
Título: Restabalecimento de guia canina com resina composta / Canine guidance reestablishment with composite resin
Fonte: Rev. dental press estét;5(2):110-118, abr.-jun 2008. ilus.
Idioma: pt.
Resumo: Proprioceptores periodontais nas raízes dos caninos apresentaram a capacidade de diminuir a resposta dos músculos elevadores da mandíbula, aumentando, desta forma, a importância de preservar e restabelecer a guia canina nos tratamentos funcionais e estéticos. A ausência da guia canina poderá acarretar aumento da atividade muscular e desgastes fisiológicos precoces nos dentes vizinhos. Este artigo apresenta a reconstrução da ponta da cúspide do canino superior esquerdo com resina composta, com o objetivo de desenvolver a guia canina(AU)
Responsável: BR501.1 - Biblioteca de Ciências da Saúde / Sede Botânico
BR501.1; 00703


  10 / 15 BBO  
              first record previous record
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo SciELO Brasil
(texto :
EN)
Buzalaf, Marilia Afonso Rabelo
Texto completo
Id: 30115
Autor: Magalhães, Ana Carolina; Wiegand, Annette; Rios, Daniela; Honório, Heitor Marques; Buzalaf, Marília Afonso Rabelo.
Título: Insights into preventive measures for dental erosion
Fonte: J. appl. oral sci;17(2):75-86, Mar.-Apr. 2009. ilus.
Idioma: En.
Resumo: Dental erosion is defined as the loss of tooth substance by acid exposure not involving bacteria. The etiology of erosion is related to different behavioral, biological and chemical factors. Based on an overview of the current literature, this paper presents a summary of the preventive strategies relevant for patients suffering from dental erosion. Behavioral factors, such as special drinking habits, unhealthy lifestyle factors or occupational acid exposure, might modify the extent of dental erosion. Thus, preventive strategies have to include measures to reduce the frequency and duration of acid exposure as well as adequate oral hygiene measures, as it is known that eroded surfaces are more susceptible to abrasion. Biological factors, such as saliva or acquired pellicle, act protectively against erosive demineralization. Therefore, the production of saliva should be enhanced, especially in patients with hyposalivation or xerostomia. With regard to chemical factors, the modification of acidic solutions with ions, especially calcium, was shown to reduce the demineralization, but the efficacy depends on the other chemical factors, such as the type of acid. To enhance the remineralization of eroded surfaces and to prevent further progression of dental wear, high-concentrated fluoride applications are recommended. Currently, little information is available about the efficacy of other preventive strategies, such as calcium and laser application, as well as the use of matrix metalloproteinase inhibitors. Further studies considering these factors are required. In conclusion, preventive strategies for patients suffering from erosion are mainly obtained from in vitro and in situ studies and include dietary counseling, stimulation of salivary flow, optimization of fluoride regimens, modification of erosive beverages and adequate oral hygiene measures.(AU)
Responsável: BR1.1 - BIREME
BR28.1



página 1 de 2 ir para página        
   


Refinar a pesquisa
  Base de dados : Formulário avançado   

    Pesquisar no campo  
1  
2
3
 
           



Search engine: iAH v2.6 powered by WWWISIS

BIREME/OPAS/OMS - Centro Latino-Americano e do Caribe de Informação em Ciências da Saúde