Base de dados : ADOLEC
Pesquisa : 297672 [Identificador único]
Referências encontradas : 1 [refinar]
Mostrando: 1 .. 1   no formato [Detalhado]

página 1 de 1

  1 / 1 ADOLEC  
             
seleciona
para imprimir
Id: 297672
Autor: Zagury, Tania.
Título: Sem padecer no paraíso: em defesa dos pais ou sobre a tirania dos filhos / Without suffering in paradise: in defense of parents or on the tyranny of the children.
Fonte: Rio de Janeiro; Record; 1997. 159 p. tab. (PR0013/01).
Idioma: Pt.
Símbolo: PR0013/01.
Resumo: Nas três últimas décadas, uma série de informações sobre a educação infantil, até então restritas ao domínio de especialistas em Pedagogia e Psicologia, começou a ser difundida, através de livros para leigos, entrevistas e artigos em rádios, jornais, revistas e televisão. Obviamente, a influência nas relações pais-filhos não tardou a se fazer notar. Afinal, as mudanças que surgiram eram tão profundas que levaram ao questionamento de quase tudo que se fazia até então. Apesar da inquestionável contribuição positiva que esses conhecimentos trouxeram, a fase de transição entre uma época e outra marcou nos pais uma acentuada insegurança quanto ao modo de agir com os filhos. A forte tendência psicologizante que tomou conta tanto da literatura leiga quanto das publicações científicas sobre Educação veio ajudar a confundir os pais, levando-os a uma postura excessivamente liberal e mesclada de culpa ao tentarem impor limites aos filhos. A conquista de uma relação baseada no respeito mútuo, no diálogo e na franqueza é sem dúvida um passo fundamental para uma boa relação. Na prática porém, muitos pais interpretaram essa necessidade de ouvir a criança como um sinal para abdicarem de qualquer tipo de autoridade, confundindo-a com autoritarismo. E educação implica sempre, em maior ou menor grau, a necessidade de limitar e às vezes negar alguma coisa aos filhos. O que se observa então é uma tendência à inversão de papéis, e não uma mudança qualitativa na relação. Agora, o autoritarismo passou a ser dos filhos em relação aos pais. E é em defesa desses pais, que se sentem acuados, inseguros e intimidados, sem saberem como se colocar, que este livro foi escrito. É preciso que os pais readquiram a coragem e a autoconfiança para chegar ao meio-termo na relação com seus filhos, e vice-versa. Sem padecer no paraíso mostra como
Descritores: Relações Pais-Filho
Pais/educação
Pais/psicologia
Relações Mãe-Filho
Relações Pai-Filho
Culpa
Liberdade
Autoritarismo
Democracia
Limites: Humanos
Adolescente
Responsável: BR1178.1 - BVS ADOLEC BRASIL
BR1178.1



página 1 de 1
   


Refinar a pesquisa
  Base de dados : Formulário avançado   

    Pesquisar no campo  
1  
2
3
 
           



Search engine: iAH v2.6 powered by WWWISIS

BIREME/OPAS/OMS - Centro Latino-Americano e do Caribe de Informação em Ciências da Saúde