Base de dados : ADOLEC
Pesquisa : 607461 [Identificador único]
Referências encontradas : 1 [refinar]
Mostrando: 1 .. 1   no formato [Detalhado]

página 1 de 1

  1 / 1 ADOLEC  
             
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo SciELO Brasil
(texto :
PT)
Id: 607461
Autor: Naser, Nilton.
Título: Melanoma cutâneo: estudo epidemiológico de 30 anos em cidade do sul do Brasil, de 1980-2009 / Cutaneous melanoma: a 30-year-long epidemiological study conducted in a city in southern Brazil, from 1980-2009
Fonte: An. bras. dermatol;86(5):932-941, set.-out. 2011. tab.
Idioma: Pt.
Resumo: FUNDAMENTOS: A incidência do melanoma e a mortalidade pela doença aumentaram nos últimos 30 anos na população caucasiana. No Brasil, dados em municípios não-capitais são escassos, necessitando de estudos epidemiológicos. OBJETIVOS: Avaliar a incidência e classificar melanomas cutâneos em Blumenau de 1980 a 2009. MÉTODO: Foram coletadas informações de 1.002 exames histopatológicos de indivíduos de Blumenau, considerando sexo, idade, localização primária, tipo histológico, nível de invasão (Clark) e espessura tumoral (Breslow). Os coeficientes de incidência anuais brutos e ajustados foram calculados utilizandose o número de melanomas e a população estimada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística entre 1980 e 2009. RESULTADOS: As taxas de incidência do melanoma atingiram 22,4 casos/100.000 habitantes/ano, 31,5 nas mulheres e 30,4 nos homens na taxa ajustada. As taxas de incidência padronizadas por década, faixa etária e sexo atingiram 141 casos em homens e 103 no sexo feminino por 100.000 habitantes/ano entre 65 a 69 anos. O melanoma disseminativo superficial aconteceu em 53 por cento dos casos, seguido do melanoma nodular com 37 por cento, e a principal localização foi no tronco (47 por cento). Os diagnósticos precoces atingiram 62,5 por cento com Breslow < 1 mm. CONCLUSÃO: A incidência do melanoma maligno aumentou em cinco vezes entre 1980 e 2009 e o diagnóstico precoce aumentou 151 por cento como resultado da prevenção primária.(AU)

BACKGROUND: Melanoma incidence and mortality rates have increased over the past 30 years in the Caucasian population. In Brazil, data on non-capital cities are scarce, making epidemiological stu dies necessary. OBJECTIVES: To evaluate the incidence of and classify cutaneous melanomas in Blumenau from 1980 to 2009. METHOD: Data from 1002 histopathological examinations of individuals from Blumenau were collected, considering sex, age, primary site of involvement, histological type, level of invasion (Clark's level) and tumor thickness (Breslow's depth). The gross and adjusted coefficients of annual incidences were calculated based on the number of melanoma cases and the population estimated by the Brazilian Institute of Geography and Statistics (IBGE) between 1980 and 2009. RESULTS: The incidence rates of melanoma reached 22.4 cases per 100,000 inhabitants/year; 31.5 in women and 30.4 in men at the adjusted rate. The incidence rates standardized by decade, age and sex were 141 male and 103 female cases per 100,000/inhabitants aged 65 to 69 years. Superficial spreading melanoma occurred in 53 percent of the cases, followed by nodular melanoma (37 percent), and the primary site of involvement was the trunk (47 percent). 62.5 percent of the cases were diagnosed early, with Breslow < 1mm. CONCLUSION: The incidence of malignant melanoma has increased fivefold from 1980 to 2009 and early diagnosis has increased 151 percent as a result of primary prevention.(AU)
Descritores: Melanoma/epidemiologia
Neoplasias Cutâneas/epidemiologia
-Brasil/epidemiologia
Cidades/epidemiologia
Incidência
Distribuição por Sexo
Limites: Adolescente
Adulto
Idoso
Criança
Pré-Escolar
Feminino
Humanos
Lactente
Recém-Nascido
Masculino
Pessoa de Meia-Idade
Adulto Jovem
Responsável: BR1.1 - BIREME



página 1 de 1
   


Refinar a pesquisa
  Base de dados : Formulário avançado   

    Pesquisar no campo  
1  
2
3
 
           



Search engine: iAH v2.6 powered by WWWISIS

BIREME/OPAS/OMS - Centro Latino-Americano e do Caribe de Informação em Ciências da Saúde