Base de dados : ADOLEC
Pesquisa : 663151 [Identificador único]
Referências encontradas : 1 [refinar]
Mostrando: 1 .. 1   no formato [Detalhado]

página 1 de 1

  1 / 1 ADOLEC  
             
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Texto completo
Id: 663151
Autor: Mendes, Wellington L; Rondinelli, Patrícia I P; Piccoli, Fábio S; Soares, Fernando A; Novaes, Paulo E R S; Ribeiro, Karina B; Antonelli, Célia B G.
Título: Linfoma de Hodgkin clássico na infância. Experiência de tratamento e fatores prognósticos / Classical Hodgkin?s lymphoma in childhood. Therapeutic experience and prognostic factors
Fonte: Pediatr. mod;48(4), abr. 2012.
Idioma: Pt.
Resumo: Objetivos: Estimar as taxas de sobrevida global e livre de eventos em portadores de linfoma de Hodgkin (LH), bem como identificar fatores prognósticos. Métodos: Estudo de coorte retrospectivo, incluindo variáveis demográficas, laboratoriais, tipo histológico, estadiamento e tratamento de 107 pacientes menores de 18 anos de idade admitidos no Departamento de Pediatria do Centro de Tratamento e Pesquisa Hospital do Câncer, no período entre 1985 e 1995. Resultados: Dos pacientes, 81 (76%) eram do sexo masculino e 80% da raça branca. A média de idade foi 10 anos (2 a 18 anos). Adenomegalia cervical foi a principal queixa referida (68% dos pacientes) e 55% apresentavam tempo de queixa menor que seis meses. Os subtipos EN e CM foram encontrados em 43% e 41% dos casos, respectivamente. Os estádios clínicos II e III foram os mais frequentes (33% cada um). Os sítios metastáticos mais frequentes nos EC IV foram fígado (42%) e pulmão (38%). As taxas de SG e SLE em 10 anos foram de 82,4% e 82,5%, respectivamente. O estádio clínico se mostrou como fator prognóstico significativo para as SG e SLE. A análise univariada revelou a presença de sintomas B, nível de Hb £ 9,3 g/dl, leucócitos £ 6.100 mm3, plaquetas £ 274.000/mm3 e ocorrência de recaída como fatores de mau prognóstico, enquanto a análise múltipla mostrou como fatores prognósticos independentes a presença de sintomas B e contagem de plaquetas. Conclusões: A identificação de fatores prognósticos é valiosa para a adequada estratificação dos pacientes em grupos de risco, adequando-os a esquemas de tratamento que maximizem as taxas de cura e minimizem os efeitos colaterais tardios.(AU)
Descritores: Doença de Hodgkin/diagnóstico
Doença de Hodgkin/terapia
-Taxa de Sobrevida
Estudos de Coortes
Limites: Humanos
Masculino
Feminino
Pré-Escolar
Criança
Adolescente
Responsável: BR12.1 - Biblioteca Setorial da Ciências da Saúde



página 1 de 1
   


Refinar a pesquisa
  Base de dados : Formulário avançado   

    Pesquisar no campo  
1  
2
3
 
           



Search engine: iAH v2.6 powered by WWWISIS

BIREME/OPAS/OMS - Centro Latino-Americano e do Caribe de Informação em Ciências da Saúde