Base de dados : LILACS
Pesquisa : 184434 [Identificador único]
Referências encontradas : 1 [refinar]
Mostrando: 1 .. 1   no formato [Detalhado]

página 1 de 1

  1 / 1 LILACS  
             
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Atallah, Alvaro Nagib
Miszputen, Sender Jankiel
Id: lil-184434
Autor: MartinMartins Júnior, Elson Vidal; Araújo, Isabella Saraiva; Atallah, Alvaro Nagib; Miszputen, Sender Jankiel.
Título: Tabagismo e doença inflamatória intestinal: estudo epidemiológico caso-controle / Smoking and inflammatory bowel disease: an epidemiological case-control study
Fonte: Arq. gastroenterol;33(2):74-8, abr.-jun. 1996. tab.
Idioma: pt.
Resumo: Dentre os vários aspectos epidemiológicos envolvendo pacientes com doença inflamatória intestinal, o tabagismo é o que apresenta associaçao mais consistente com sua ocorrência e evoluçao. A retocolite ulcerativa inespecífica é considerada doença de nao ou ex-fumantes, sugerindo-se que o tabagismo protegeria contra o seu desenvolvimento. Por outro lado, há referências de maior ocorrência de doença de Crohn em fumantes. Sessenta e oito pacientes com doença inflamatória intestinal (36 com retocolite ulcerativa inespecífica e 32 com doença de Crohn) foram analisados quanto ao sexo, idade, escolaridade, profissao, religiao e hábito tabágico. Cento e trinta e seis indivíduos dispépticos compuseram o grupo controle (dois controles/caso), selecionados por características demográficas similares. Todos os entrevistados foram subagrupados, segundo tabagismo, em fumantes, nao-fumantes e ex-fumantes. O questionário ainda avaliou sua relaçao com inicio e atividade da doença inflamatória intestinal e eventual proteçao adquirida, por exposiçao na infância, como, fumantes passivos. Tabagismo protegeu significativamente contra ocorrência de retocolite ulcerativa inespecífica (OR:0,30, P< O,03, IC: 95 por cento), o mesmo ocorrendo em relaçao à doença de Crohn (OR: O,81, P> O,5). Nao houve maior risco para o surgimento da doença de Crohn entre os fumantes desta amostra. Entre os ex-fumantes, 72,7 por cento desenvolveram retocolite ulcerativa inespecífica após interrupçao do tabagismo, contra 44,4 por cento na doença de Crohn. Exposiçao ao tabagismo na infância, nao influenciou na ocorrência de retocolite ulcerativa inespecífica (OR; O,93, P> O,1) e doença de Crohn (OR: O,44, P> O,2). Nossos resultados se assemelham aos dados da literatura em relaçao à proteçao do tabagismo para o ocorrência de retocolite ulcerativa inespecíflca. Estudos experimentais e clínicos com tabaco ou seus produtos demonstrarao possível açao farmacológica e terapêutica nesta doença inflamatória.
Descritores: Doenças Inflamatórias Intestinais/etiologia
Fumar/efeitos adversos
-Estudos de Casos e Controles
Colite Ulcerativa/epidemiologia
Colite Ulcerativa/etiologia
Doença de Crohn/epidemiologia
Doença de Crohn/etiologia
Doenças Inflamatórias Intestinais/epidemiologia
Prevalência
Fatores de Risco
Abandono do Uso de Tabaco
Limites: Humanos
Masculino
Feminino
Responsável: BR1.1 - BIREME



página 1 de 1
   


Refinar a pesquisa
  Base de dados : Formulário avançado   

    Pesquisar no campo  
1  
2
3
 
           



Search engine: iAH v2.6 powered by WWWISIS

BIREME/OPAS/OMS - Centro Latino-Americano e do Caribe de Informação em Ciências da Saúde