Base de dados : LILACS
Pesquisa : 304033 [Identificador único]
Referências encontradas : 1 [refinar]
Mostrando: 1 .. 1   no formato [Detalhado]

página 1 de 1

  1 / 1 LILACS  
             
seleciona
para imprimir
Fotocópia
Mesquita, Evandro Tinoco
Id: lil-304033
Autor: Firmida, Cláudia de Cássia; Mesquita, Evandro Tinoco.
Título: O paradoxo do tratamento do ICC com betabloqueadores. Implicaçäo para pacientes hipertensos / The paradox of congestive heart failure treatment with beta blockers. Implication for hypertensive patients
Fonte: Rev. bras. hipertens;8(4):458-465, out.-dez. 2001. ilus, tab.
Idioma: pt.
Resumo: Durante muitos anos, acreditou-se que os betabloqueadores deveriam ser evitados nos pacientes com insuficiência cardíaca (IC). A justificativa era de que os sintomas e a funçäo ventricular esquerda em portadores de IC piorariam com a reduçäo da contratilidade miocárdica, além do que se estaria abortando a resposta compensatória do estímulo simpático. A hiperativaçäo adrenérgica como suporte hemodinâmico compensatório era considerada vital para a manutençäo da homeostase. Entretanto, a partir dos resultados favoráveis obtidos em pequenas séries de casos pelo grupo sueco na década de 1970 até as conclusöes dos mais recentes ensaios controlados, esse dogma vem sendo sobrepujado. A disfunçäo ventricular na IC é um processo progressivo, independente dos sinais e sintomas clínicos. A IC assintomática evolui com risco de morte súbita, progredindo para IC clínica em 30 por cento dos casos, em um período de 4 anos. 0 aumento da atividade simpática é uma das respostas neuro-humorais mais precoces em pacientes com IC e um dos fatores mais importantes no remodelamento progressivo que induz ao declínio da funçäo miocárdica e ao prognóstico reservado desses pacientes. Dados recentes fornecidos por ensaios clínicos de importante relevância indicaram os benefícios dos betabloqueadores, em combinaçäo com diuréticos, inibidores da enzima de conversäo da angiotensina a digoxina, na insuficiência cardíaca crônica classe funcional II a IV, devida à disfunçäo ventricular sistólica. Os benefícios relacionam-se à melhora dos sintomas e capacidade funcional, do remodelamento cardíaco e da funçäo ventricular esquerda, reduçäo das hospitalizaçöes por causas cardiovasculares e dos índices de mortalidade.
Descritores: Antagonistas Adrenérgicos beta/uso terapêutico
Hipertensão/terapia
Insuficiência Cardíaca/tratamento farmacológico
-Idoso de 80 Anos ou mais
Insuficiência Cardíaca/epidemiologia
Fatores de Risco
Limites: Seres Humanos
Masculino
Feminino
Adulto
Meia-Idade
Tipo de Publ: Revisão
Responsável: BR26.1 - Biblioteca Central



página 1 de 1
   


Refinar a pesquisa
  Base de dados : Formulário avançado   

    Pesquisar no campo  
1  
2
3
 
           



Search engine: iAH v2.6 powered by WWWISIS

BIREME/OPAS/OMS - Centro Latino-Americano e do Caribe de Informação em Ciências da Saúde